Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O martelo caiu às 19h17 e desfez a dúvida: a tiara de diamantes e safiras da década de 1840, que pertenceu à rainha D. Maria II e suscitou interesse da direção do Palácio Nacional da Ajuda, foi arrematada em leilão da Christie’s por nada menos que 1 milhão e 322 mil euros. Como sempre acontece nestas ocasiões, a leiloeira não divulgou a identidade do comprador, mas fonte oficial da Direção-Geral do Património Cultural (DGPCP) confirmou ao Observador que não foi o Estado Português quem ficou com a peça.

A DGPC, que é tutelada pelo Ministério da Cultura e responsável pelo Palácio Nacional da Ajuda, tinha desde há vários meses mostrado interesse em disputar a peça, com vista à integração no acervo do futuro Museu do Tesouro Real, em Lisboa. O museu tem abertura prevista para os próximos meses — já não será em junho, como chegou a estar previsto — e situa-se precisamente no Palácio da Ajuda, que foi residência oficial da família real portuguesa a partir do reinado de D. Luís I (1861-1889).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.