Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A surpreendente derrota do Benfica nos Açores frente ao Sp. Horta colocou o Sporting à distância apenas de um empate do segundo lugar do Campeonato de andebol, assegurado na semana passada pelo FC Porto após vencer o Águas Santas no Dragão. Também por isso, e tendo em conta a proximidade da Final Four da Taça de Portugal que juntará de novo os rivais lisboetas nas meias, o dérbi da 29.ª e penúltima jornada na Luz tinha tudo para ser um encontro bem jogado, com muitos golos e de resultado em aberto. E foi isso que aconteceu.

Sporting vence dérbi com Benfica, sobe à liderança à condição e vai discutir título no Dragão Arena com FC Porto

Após um jogo com muita alternância de marcadores e vantagens, o Benfica conseguiu “vingar” a derrota no Pavilhão João Rocha na primeira volta e, mais do que isso, manteve em aberto a possibilidade de chegar ainda ao segundo lugar do Campeonato com um remate de Petar Djordjic já com o tempo de jogo esgotado num livre de nove metros que deu o 34-32, empatou as contas no confronto direto e colocou mais pressão nos leões, que na próxima quarta-feira terão no mínimo de empatar na receção ao Águas Santas da última ronda.

A melhor homenagem possível a Kingtana: FC Porto sagra-se bicampeão só com vitórias e volta a ser o clube com mais títulos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os encarnados começaram melhor o encontro, aproveitando uma exclusão de Bingo logo no primeiro lance e as falhas do Sporting quando passou a ter vantagem numérica, chegando a vantagens de dois/três golos com Ole Rahmel em plano de destaque com mais de metade dos golos nos 11 minutos iniciais (7-5). Pouco depois, quase no virar da metade inicial, os leões conseguiram fazer um parcial de 3-0 que virou o encontro, chegando pela primeira vez à frente do marcador (9-8) e obrigando a um desconto de tempo dos encarnados com 14-11.

Chema Rodríguez quis acalmar a equipa, Chema Rodríguez conseguiu mudar a equipa: nos lances seguintes, e já com Capdeville na baliza, os encarnados chegaram ao empate a 14 a cinco minutos do final, conseguiram mesmo voltar para a frente do marcador e só mesmo um remate de primeira linha de Pedro Valdés, um dos melhores marcadores da primeira parte (cinco golos), conseguiu empatar o encontro ao intervalo (17-17).

No segundo tempo, marcado pelos protestos do banco dos visitados em relação a algumas decisões da equipa de arbitragem que fizeram com que Chema Rodríguez fosse mesmo expulso do banco, o Sporting conseguiu entrar melhor com uma vantagem de dois golos, o Benfica reagiu bem passando para a frente e os últimos dez minutos do dérbi chegaram com um empate a 27 que deixava tudo em aberto, aparecendo então Djordjic e Paulo Moreno em plano de destaque em termos ofensivos para darem prolongamento às intervenções na baliza de Capdeville e Sergey Hernández (nos livres de sete metros) e garantirem o triunfo por dois de vantagem (34-32). Djordjic (11 golos), Ole Rahmel (dez), Francisco Tavares (sete), Moreno e Pedro Valdés (seis) foram os melhores marcadores.