Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Daimler Truck AG, que integra a marca FUSO, pretende que todas as suas fábricas europeias sejam neutras em dióxido de carbono (CO₂) até 2022. Em linha com esse objectivo, o complexo da Fuso no Tramagal – a cerca de 150 quilómetros de Lisboa – anunciou que no próximo ano vai cumprir essa meta, graças à redução do consumo de energia, fornecimento de energia verde e produção local de energia através de painéis solares.

Só este ano, esta infra-estrutura de produção que exporta para mais de 30 países estima reduzir em 50% as emissões carbónicas face ao ano anterior, abrindo assim caminho para atingir a esperada neutralidade em 2022. Para tal, toda a frota da logística interna e armazém está a ser convertida para veículos eléctricos, ao mesmo tempo que a fábrica aposta na electricidade verde e no aumento da produção de energia solar no local para autoconsumo. Segundo a unidade industrial do Tramagal, está ainda em cima da mesa a hipótese de produzir “hidrogénio verde com recurso a painéis solares para substituir progressivamente o consumo de gás natural”.

A mobilidade neutra em CO₂ só pode ser alcançada se a produção de veículos for também verde. No Tramagal, o nosso compromisso começa logo na forma como são produzidos. Uma produção neutra em carbono deixa uma pegada menor e queremos ser pioneiros no processo de descarbonização, tanto no produto quanto na produção”, refere o director da fábrica, Jorge Rosa.

Desde que arrancou a produção do FUSO Canter no Tramagal, em 1980, já foram produzidos em Portugal mais de 230.000 camiões FUSO. O fabrico do eCanter 100% eléctrico iniciou-se em 2017 e, na perspectiva Jorge Rosa, esse é o caminho a seguir: “A sustentabilidade faz parte da nossa estratégia e é algo em que acreditamos. O nosso futuro é eléctrico, neutro em carbono e com base em energias renováveis.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR