Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um ativista da Greenpeace invadiu de paraquedas o Allianz Arena, em Munique, já as seleções de França e Alemanha se preparavam para a segunda partida do grupo F esta terça-feira. O paraquedas amarelo tinha o símbolo da organização estampado e a mensagem “Kick Out Oil” — em português, “Expulsem o Petróleo” — escrito logo acima.

A Greenpeace da Alemanha confirmou a autoria do protesto no Twitter e esclareceu que a mensagem era endereçada à Volkswagen: “Os ativistas da protestam contra o patrocinador do jogo entre a Alemanha e França e exigem: parem de vender carros a diesel e a gasolina, que são prejudiciais para o clima”. A iniciativa tem recebido críticas nas redes sociais por ser potencialmente perigosa para os participantes e para os adeptos no estádio.

O ativista desceu pelo topo do estádio alemão e foi levado para fora de campo imediatamente após a aterragem. Dois atletas da Alemanha — o defesa Antonio Ruediger e o lateral esquerdo Robin Gosens — ainda se aproximaram do paraquedista e trocaram algumas palavras com ele antes de ser detido pela equipa de segurança. O episódio não comprometeu o início da partida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas a descida do ativista até ao solo foi atribulada: as imagens do momento mostram o paraquedista a rodopiar no ar e a aproximar-se perigosamente das bancadas onde a comunicação social se preparava para cobrir o jogo. Antes de se aproximar das dos adeptos, colidiu com o chão e sobreviveu à viagem aparentemente sem ferimentos graves.