A Câmara Municipal do Funchal decretou três dias de luto municipal pela morte, este sábado, do antigo presidente Virgílio Pereira, aos 80 anos, anunciou a autarquia.

“O presidente Miguel Silva Gouveia vai decretar três dias de luto municipal, a cumprir amanhã, segunda-feira e terça-feira, dias 25, 26 e 27 de julho, e a bandeira do município será colocada a meia haste em todos os edifícios municipais”, informa a autarquia na nota de pesar distribuída às redações.

No documento, o município do Funchal, governado pela coligação Confiança (PS, BE, PDR e Nós, Cidadãos!) manifesta o “mais profundo pesar” pela morte do ex-presidente da autarquia, endereçando “aos seus familiares e amigos, e em especial ao filho Bruno Pereira [que foi vereador], as mais sentidas condolências por uma perda que todos os funchalenses choram”.

Virgílio Higino Gonçalves Pereira nasceu em 11 de janeiro de 1941 e faleceu este sábado no Funchal, confirmou fonte o PSD/Madeira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O município recorda o percurso do antigo autarca, um militante do PPD/PSD que foi presidente da Câmara do Funchal (1974-1983) e depois eurodeputado (1986 a 1994), tendo regressado ao município entre janeiro e setembro de 1994.

Abandonou o cargo sem terminar o mandato e foi substituído pelo seu vice, Miguel Albuquerque, atual presidente do PSD/Madeira e do Governo Regional.

O responsável do município funchalense lembra também que o ‘professor Virgílio’, como é conhecido na Madeira, recebeu, em 1994, a Medalha de Honra da Cidade, grau ouro.

Miguel Silva Gouveia escreve que o antigo autarca é “uma figura incontornável do poder local democrático na Madeira”.

“Deixou um legado de quase uma década no Funchal”, complementa, opinando que “é uma referência que subsistirá na memória de todos os funchalenses, de todos os trabalhadores da Câmara Municipal do Funchal que tiveram o privilégio de o conhecer pessoalmente e de todos quantos se cruzaram com ele ao longo da sua carreira e, em especial, no exercício das suas nobres funções em nome da nossa cidade”, sublinha o responsável do principal município da Madeira.