Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nos primeiros dias de Outubro, a Tesla revelou o número de veículos produzidos e comercializados no 3º trimestre de 2021, o que permitiu à marca norte-americana atingir mais um recorde em ambos os sectores, ao fabricar 237.823 veículos de Julho a Setembro e ao vender 241.300 no mesmo período. Agora foram finalmente revelados os resultados financeiros associados a mais este recorde de vendas que, segundo os analistas de Wall Street, deveriam rondar uma facturação de 14,005 mil milhões de dólares e um prémio de 1,59 dólares por acção pagos aos accionistas.

A realidade não andou longe das previsões dos especialistas, uma vez que a facturação da Tesla foi de 13,757 mil milhões de dólares, ligeiramente abaixo das expectativas, compensada pela distribuição de lucros por acção, que surpreendeu Wall Street ao fixar-se nos 1,86 dólares por título.

4 fotos

Os bons resultados comerciais e financeiros, aliados a uma margem de lucro bruta de 30%, o que assegurou uma margem operacional de 14,6%, agradaram aos investidores. Isto provocou um disparar no valor das acções, que eram transaccionadas a 782 dólares a 6 de Outubro, para saltar para 909 dólares no fecho hoje, dia 22. Um incremento de 16% na marca que já era a mais valiosa do mundo.

Com os títulos a valer 909 dólares, a Tesla passou a ter uma capitalização bolsista de 908 mil milhões de dólares, um novo recorde para a Tesla, mas que agora coloca a marca norte-americana num patamar em que vale mais em bolsa do que os principais grupos da indústria automóvel, todos juntos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR