806kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Hen.tai: sushi, ramen e pornografia num beco japonês da Amadora

Este artigo tem mais de 2 anos

Confesso: fui atrás da promessa de uma refeição japonesa com requinte de produção pornográfica. Estava à espera de uma noite de coboiada, acabei por ter um serão de missionário.

Hentai é a palavra japonesa para definir desejo sexual perverso. foi esse o nome que os donos deste restaurante inspirado na street food japonesa se lembraram de ir buscar para provocar a curiosidade da malta — e foi isso que me trouxe aos pulos até aqui
i

Hentai é a palavra japonesa para definir desejo sexual perverso. foi esse o nome que os donos deste restaurante inspirado na street food japonesa se lembraram de ir buscar para provocar a curiosidade da malta — e foi isso que me trouxe aos pulos até aqui

Hentai é a palavra japonesa para definir desejo sexual perverso. foi esse o nome que os donos deste restaurante inspirado na street food japonesa se lembraram de ir buscar para provocar a curiosidade da malta — e foi isso que me trouxe aos pulos até aqui

A advertência

O que é absurdo, e o que não é, pode ser apenas uma questão de perspetiva. A frase não é original, ouvi-a algures a alguém (como ouvi outro alguém dizer que a originalidade é a arte de nos lembrarmos sempre do que ouvimos, esquecendo onde o ouvimos — mas também não me lembro de quem disse essa). A ideia ocorre-me no momento em que preparo a experiência seguinte.

Ponho-me a imaginar que, finda esta história, a sinopse pode assumir formas inteiramente distintas, consoante a perspetiva que se escolha para os mesmíssimos factos. Sobre esta expedição, poderemos então escrever: “O crítico do jornal Observador, na companhia de uma ilustre jornalista, deslocou-se à Amadora a fim de experimentar um restaurante japonês chamado Hen.tai”. Em alternativa, eis outra epítome para o acontecimento: “O depravado do Arnaldo esgueirou-se com uma mulher casada à antiga Porcalhota, e ali saciaram secretamente os seus apetites, numa espécie de beco asiático com inspirações pornográficas”. Uma e outra preposição são rigorosamente verdadeiras. Embora eu, obviamente, escolha a perspetiva absurda.

É um problema meu, reconheço. Tenho uma fixação com duplos sentidos e a mania de seguir em sentido contrário. Por exemplo, não haverá muita gente a espantar-se por saber que a Associação de Natação do Algarve se chama Analgarve; que o Ministério da Educação se lembre de batizar um concurso de idiomas no ensino básico com o título “As línguas abrem caminhos”; ou que um restaurante italiano no centro de Lisboa ache por bem chamar-se Mamma Donna. O mais certo é ninguém senão eu ler aqui qualquer sugestão licenciosa. Mas, enfim, eu sou o degenerado que quando lê “fiambre da perna extra” fica a cismar sobre qual será a perna extra do porco a que se referem. Em suma, sou uma personagem de mente retorcida e sinto-me na obrigação de deixar essa advertência antes de prosseguir.

O hentai divide-se em vários subgéneros. Já o Hen.tai anda ali entre o sushi e o ramen

Hen.Tai

Vamos então a isto. Hentai é a palavra japonesa para definir desejo sexual perverso, mas foi adaptado para definir toda a banda desenhada, ilustração e animação de teor pornográfico. E no Japão há muita. Ora, foi esse o nome que os donos deste restaurante inspirado na street food japonesa se lembraram de ir buscar para provocar a curiosidade da malta — e foi isso que me trouxe aos pulos até aqui. Chamaram-lhe Hen.tai, com um pontinho no meio, suponho que para evitar confusões de maior a quem googlar a casa. Funciona. Posso dizer-vos que aquele ponto é tudo o que ampara o choque de quem ainda preserve o imaginário idílico dos desenhos animados apresentados pelo Vasco Granja (alerta: mesmo com ponto, desaconselha-se a pesquisa por imagens — é até possível que encontrem a Heidi e o Marco, mas não como se lembram deles).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A experiência

São 21.00 de uma quarta-feira à noite e a casa está menos de meia. Estamos numa zona dormitório da Amadora — o que é mais ou menos um pleonasmo — e não há muita gente a comer no local, mas o trânsito de motoboys é constante. O tempo não está famoso e haverá quem prefira consumir Hen.tai no recato do lar. Faz sentido.

Eu e a minha amiga chegamos cheios de curiosidade, artilhados de piadolas para a troca, mas sobretudo com fome. O interior do Hen.tai tenta reproduzir o imaginário de um beco japonês, taipais de metal a forrar o balcão, anúncios em caracteres katakana, decoração pop temática, música japonesa ligeira cantada em inglês. Referências libertinas, porém, o melhor que se encontra é o anúncio discreto a um bar de strip (não leio japonês, mas o grafismo é esclarecedor).

A ementa é generosa sem ser muito complicada. O hentai divide-se em vários subgéneros, que podem ir do comic futanari (normalmente envolvendo personagens transexuais) ao furry (relações com personagens metade gente, metade besta). Já o Hen.tai anda ali entre o sushi e o ramen. Seguimos o conselho da casa e começamos com uns takoyaki, espécie de croquetes japoneses em bolinhas, o polme a envolver pedaços de polvo (seis peças, 6€). Boa fritura, tempero interessante, entre o fresco do gengibre e algum picante, embora demasiado doce (soja industrial). Do polvo, infelizmente, poucas notícias tivemos. Em contrapartida, o Shazam informa que estamos a ouvir “Pastel Love”, de Kengo Kurozumi.

As notícias melhoram com o ramen. Dos três disponíveis, dividimos o que nos pareceu mais clássico, um ramen tonkotsu (13€). Nenhum arrependimento. O caldo generoso, gordo, quentinho, perfumado de cebolete, umas folhinhas estaladiças de alga nori e umas rodelas de naruto (pasta de peixe) a deixar rasto sobre o porco, e a carne impecável, com a chicha a desfazer. Pena a massa um pouco elástica, que a carta diz que é fresca, mas não é — já foi, explica-nos a menina, desculpando-se pela informação desatualizada e explicando que esta agora vem diretamente lá do Japão.

Não encontrei geishas voluptuosas a servir body sushi. Em contrapartida, descobri um bom poiso de comida japonesa simpática a preços honestos

Hen.Tai

Daqui, seguimos para um Combinado Samurai XXX. E fazêmo-lo por duas razões: primeiro, porque oferece a oportunidade de picar um pouco de quase tudo o que resta de importante na ementa (sashimi, hossomakis, niguiris e gunkans, 17 peças por 16€); depois porque é a única referência em toda a carta com alguma sugestão pícara (nova dica para púdicos e distraídos: não escrevam três xis seguidos na janelinha do Google).

As associações entre peixe e pornografia são antigas (o besugo e a sarda são disso testemunhas), mas, mais uma vez, nada de especialmente excitante aqui. Anda tudo em redor de atum e salmão, o que se compreende atendendo ao preçário, e é importante dizer que ambos os bichos são frescos e de boas famílias, coisa que fica especialmente evidente nas seis peças de sashimi. De resto, destaco o gunkan atum picante, que me parece especialmente bem conseguido.

A penitência

Como adverti de início, esta expedição partiu do fascínio pela marotice e da atração fatal pelo absurdo. Mas o resultado foi mais tranquilo que outra coisa. Ainda nem são dez da noite e já nos vão avisando que a cozinha está para fechar. De sobremesa, só há mochis, uns bolinhos de arroz gelatinoso recheados que fazem companhia ao café e pouco acrescentam à história. Dou a noite por terminada.

Não encontrei geishas voluptuosas a servir body sushi (nem ninguém mo prometeu, a minha imaginação é que tem vontade própria), nem sequer me assanhei com food porn, que tudo aqui me foi chegando em arranjos sóbrios e sem grandes confusões. Em contrapartida, descobri um bom poiso de comida japonesa simpática a preços honestos e fui fazer ó-ó cedinho, como a idade já aconselha. Não é a primeira vez que sonho com noites de coboiada, mas acabo a ter um serão de missionário.

Antes de dormir, termino esta prosa ao som de “Hentai”, canção toda acesa da jovem Rosalía. Podem pesquisar no Google, mete cavalos e tudo.

Como diria o outro, hei-de voltar. Ou então mando vir.

Rua Elias Garcia 398, Amadora. Telf: 910 319 402. Seg-Dom 12.00-15.00, 19.00-22.00

O Experimentador Implacável é uma figura fictícia criada por Arnaldo Valente, que por sua vez é pseudónimo de outro fulano. É homem de palavra e só não dá a cara porque precisa dela para fazer a barba. Tende pouco para as tendências, não é muito sensível às sensibilidades, é fascinado por coisas sem importância e insiste em brincar com coisas sérias. Só fala do que experimenta, embora não possa falar de tudo o que já experimentou.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO