815kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Álbuns de família, arquitetura em movimento e um mar aberto: três exposições para aprender

Inauguraram há poucos dias e propõem a reflexão sobre temas inescapáveis através de expressões artísticas que cruzam documentação com criatividade sobre diferentes meios e plataformas.

A exposição "Álbuns de Família, Fotografias da Diáspora Africana na Grande Lisboa (1975-hoje)" pode ser vista no Padrão dos Descobrimentos até 30 de novembro
i

A exposição "Álbuns de Família, Fotografias da Diáspora Africana na Grande Lisboa (1975-hoje)" pode ser vista no Padrão dos Descobrimentos até 30 de novembro

A exposição "Álbuns de Família, Fotografias da Diáspora Africana na Grande Lisboa (1975-hoje)" pode ser vista no Padrão dos Descobrimentos até 30 de novembro

Às vezes os museus deixam de ser espaços de contemplação artística para passarem a ser palcos didáticos, onde cada visitante tem a liberdade de se interessar e aprender como quiser sobre matérias que a atualidade política, a sociedade civil, a cidadania e tudo o mais que possa apelar à nossa empatia por aquilo que temos em comum no mundo põe em cima da nossa agenda afetiva e no nosso quotidiano de interesses pessoais. Estes três exemplos estão disponíveis em Lisboa e proporcionam, além da reflexão óbvia, bem documentada e pertinente, um embate emotivo com realidades que, por diversos motivos, nos podem escapar com facilidade, sempre entretidos com problemas em que somos também protagonistas.

“Mar Aberto”, Nicolas Floc’h

MAAT, até 26 de agosto

O francês Nicolas Floc’h expõe impressionantes escalas de cores das águas quer do rio Tejo, quer daquelas ao largo da ilha de São Miguel, nos Açores, reproduzindo, através de centenas de fotografias, aquilo que tantos quilómetros de explicações ecológicas talvez não tenham conseguido fazer: a relação da ação do homem na degradação do planeta no que diz respeito ao meio subaquático.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não é de todo um manifesto ecológico, mas consegue encaminhar-nos para uma consciência crítica que pode muito bem passar a consciência ativa daquilo que tem que ser feito para prolongar a vida da Terra e as implicações que a nossa ação terá no futuro de todos. Num equilíbrio de “paisagens de cor” obsessivo, o fotógrafo francês avança pelos sentidos e da nossa perceção deles com a força que a paleta cromática que apresenta sempre trabalhou no subconsciente do ser humano e naquilo que pode ser o seu bem-estar.

“Marina Tabassum: Materiais, Movimentos e Arquitetura no Bangladesh”

MAC-CCB, até 22 de setembro

O Piso 0 do Museu de Arte Contemporânea apresenta o fabuloso trabalho da arquiteta Marina Tabassum na sua terra natal, o Bangladesh, e mostra, de forma arrebatadora, como a sensibilidade pode ser o recurso mais poderoso para salvar vidas e construir casas que salvam vidas e casas que são refúgios para o espírito tanto quanto são abrigos para o corpo. A obra daquela que é considerada uma das personalidades mais influentes do nosso tempo é também o espelho da história de um país com pouco mais de 50 anos de vida (o Bangladesh tornou-se independente em 1971) e traduz uma capacidade invulgar de interpretar a essência da vida e do ser humano dentro de um mundo onde o poder, a matéria, e a natureza mandam mais.

Antonio Jorge Silva

Em exposição estão várias obras construídas desde 1995 com destaque para o Museu e Monumento da Independência, em Daca, e o projeto de um monumental campo de refugiados que alberga 1,2 milhões de rohingyas. Marina Tabassum, de 56 anos, mostra uma competência rara para responder aos desafios mais difíceis com inteligência e sentido prático, ao mesmo tempo que com um sentido apurado de comprometimento com os laços relacionais entre as pessoas e o meio ambiente, criando espaços onde a comunidade fica sempre, sempre no centro. Um exemplo de partilha, onde não há lugar para o individualismo.

“Álbuns de Família, Fotografias da Diáspora Africana na Grande Lisboa (1975-hoje)”

Padrão dos Descobrimentos, até 30 de novembro

As curadoras Filipa Lowndes Vicente e Inocência Mata põem o dedo na ferida de um país que não soube lidar com o passado colonial, ao irem buscar o óbvio: a vida da diáspora africana em Lisboa. E é uma viagem maravilhosa ao universo dos afetos de milhares de famílias de origem africana que se sediaram na capital portuguesa logo a seguir ao 25 de Abril e até hoje. Os álbuns de família e as fotografias que os ocuparam tão iguais, porque exatamente iguais às nossas, narram o quotidiano dessa diáspora neste país de olhos fechados, ou só semi-abertos.

São as suas lutas, os seus rostos, as suas preocupações, as suas aptidões, os seus sonhos, as suas desilusões, as suas alegrias, as suas vitórias, as suas histórias, os seus livros, os seus poemas, os seus heróis, os seus irmãos, pais, filhos, primos tudo o que é seu, que é exatamente igual ao que é nosso, ao que é de todos. São os mesmos álbuns de fotografias de todos os que pertenceram à nossa vida porque os amámos, e que, de diferente só têm a cor da pele. A História é a mesma história e conta-se assim também.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos