Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Às vezes digo que parece que nasci há 100 anos.” É assim que Pedro da Costa Felgueiras fala quando quer explicar o que o inspirou a seguir uma profissão invulgar, a de especialista em tintas históricas e lacas. Na prática, isso significa dar nova vida a edifícios, paredes e móveis, através de tintas e técnicas o mais aproximadas possível das utilizadas originalmente, séculos atrás. Mesmo que, para isso, seja preciso demorar anos a fazer um restauro ou a encontrar as tintas certas, obtidas através de métodos antigos, como o esmagar de insetos para obter o vermelho certo ou o enterrar de minérios em solos com temperaturas negativas para chegar ao azul ideal.

O trabalho histórico de Pedro é feito a par de um mergulho em realidades mais contemporâneas como o design moderno, mas são os restauros de edifícios como a Strawberry Hill House, com os interiores pintados com os mesmo tons que teve no século XVIII, que o tornaram conhecido no mercado da arte britânico. Em Londres há quase 30 anos, o português desenvolve o seu trabalho na Lacquer Studios. É de tal forma especializado e valorizado, que organismos como o britânico Historic Royal Palaces não têm hesitado em fazer parcerias com Pedro, muitas vezes para restaurar edifícios considerados património mundial da UNESCO.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.