Quem oferece maior garantia de emprego? Universidades públicas batem os politécnicos e o ensino privado

17 Julho 2019

Não restam dúvidas: na lista de desemprego zero, as universidades públicas ganham. Quando olhamos para as que têm mais estudantes sem trabalho, aparecem os politécnicos e as universidades privadas.

Se a análise for crua e dura, separando politécnicos para um lado e universidades para o outro, afastando ensino público para a esquerda e ensino privado para a direita, a conclusão é sempre a mesma: os cursos tirados nas universidades públicas são aqueles que mais garantem colocação no mercado de trabalho, superando os ministrados em politécnicos ou em instituições privadas. Para chegar a esta conclusão, o Observador analisou os números divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e que estão disponíveis no portal Infocursos, desde a meia-noite de domingo, 7 de julho. No entanto, estes olham apenas para a percentagem de recém-diplomados registados como desempregados no IEFP — Instituto do Emprego e Formação Profissional — não considerando, por exemplo, outros jovens que podem até estar a trabalhar, mas não na área em que se formaram.

Há duas maneiras de analisar os dados: olhar para os cursos que têm desemprego zero e olhar para as licenciaturas e mestrados integrados que apresentam maior taxa de desemprego. Quer se comece pelo cimo ou pelo fundo da tabela, a conclusão é invariavelmente a mesma: as universidades públicas estão sempre à frente.

Primeiro, olhemos para a lista de desemprego zero onde surgem 63 licenciaturas e mestrados espalhados por todo o país. São 43 universidades (sete delas privadas) contra 20 politécnicos (9 privados).

À frente, sem qualquer sombra de dúvidas, está a Universidade de Lisboa que, com 24 cursos, representa quase 40% do total. Destes, oito cursos são lecionados no Instituto Superior Técnico e passam por várias Engenharias, um curso de Matemática Aplicada e Computação e um de Arquitetura. Com seis e cinco cursos representados na mesma universidade pública, seguem-se a Faculdade de Ciências e a de Letras, com oferta tão diversa como Química, Estatística Aplicada, História de Artes ou Estudos Comparatistas.

Na mesma tabela de desemprego zero, a uma distância abismal do primeiro lugar, estão a Universidade do Algarve (quatro cursos), a de Aveiro e a da Beira Interior (ambas com três). O único politécnico que surge com mais do que um curso nesta lista é privado e é o ISEC Lisboa — Instituto Superior de Educação e Ciências — com três cursos: Óptica e Optometria, Engenharia de Segurança do Trabalho e Gestão Aeronáutica.

Ainda dentro das instituições que apresentam mais do que uma oferta com registo de desemprego zero temos, com três cursos cada, a Universidade Católica e Universidade Lusíada, ambas privadas. Com dois cursos surgem a Universidade do Porto, a de Coimbra e Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa (politécnico privado).

E o que acontece se olharmos para os cursos com taxa de desemprego acima de 10%? O padrão altera-se e, entre os 56 cursos encontrados, 31 são ministrados em politécnicos e 25 em universidades, mas, entre estas, apenas uma minoria não pertence ao ensino privado. São seis os cursos oferecidos em universidades públicas, com a lista a ser encabeçada pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Dos três cursos que tem nesta lista, o que apresenta maior desemprego é o curso de Serviço Social (13,4%) da Escola de Ciências Humanas e Sociais. A seguir, com dois cursos, está a Universidade do Minho — Psicologia (13,3%) e Arquitetura (11%) — e com apenas o curso de Psicologia (10,8%) a do Porto.

Conclusão estatística? É tirando um curso numa universidade pública que tem maior probabilidade de entrar mais rapidamente para o mercado de trabalho, mas tudo depende também do curso escolhido e da instituição de ensino.

[Para ver todos os dados, passe o cursor sobre a tabela]

ilustração de Raquel Martins.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)