Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os Ensaios do Observador juntam artigos de análise sobre as áreas mais importantes da sociedade portuguesa. O objetivo é debater — com factos e com números e sem complexos — qual a melhor forma de resolver alguns dos problemas que ameaçam o nosso desenvolvimento.

A preparação do próximo plano dos fundos estruturais para o sexénio 2021-2027 (PT27) deveria exigir a elaboração de um plano de desenvolvimento do País para a década. E o que é um plano de desenvolvimento? É um documento que apresenta uma visão estratégica, consubstanciada em objetivos quantificáveis, e os programas de medidas e projetos de investimento para os atingir.

Ensina-nos a teoria do desenvolvimento económico que o país aumenta o seu rendimento através da acumulação e melhoria da qualidade dos fatores produtivos (capital humano, capital físico e trabalho) e da melhoria das suas políticas e instituições, enquanto a inovação e progresso técnico proporcionam o desenvolvimento tecnológico. O que está em causa é o aumento da capacidade produtiva das empresas através do investimento e de uma mão-de-obra mais qualificada, a redução dos seus custos de produção pelo aumento da produtividade e redução dos preços dos inputs básicos (energia, telecomunicações, justiça e administrativos) que levem a um aumento da competitividade do país.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.