Rádio Observador

caderno de apontamentos

A escola, um lugar para aprender e ser feliz! /premium

Autor
  • Fernanda Alves
992

A minha experiência mostra-me que a música é a ferramenta ideal para fazermos da escola, num contexto regrado e organizado, um lugar onde a aprendizagem e a felicidade podem seguir de mãos dadas.

As emoções fazem parte do desenvolvimento da criança, constituindo parte fundamental no processo de aprendizagem. A escola é um lugar privilegiado para promover e cuidar das emoções. É preciso que a preocupação em ter crianças felizes na escola não seja descorada face aos níveis de preocupação com os resultados académicos. Para isso, a escola deve promover atividades que compatibilizem as emoções e as cognições. A relação das emoções com a aprendizagem é de grande cumplicidade e daí a necessidade de uma implicação recíproca.

É, de resto, sabido que muitas crianças, devido ao stress provocado pela escola, tendem a sofrer de problemas emocionais, como ansiedade, depressão, desmotivação e baixa autoestima, prejudicando o seu rendimento escolar.

Enquanto professora de Expressão Musical, pergunto-me muitas vezes qual o contributo da disciplina na educação emocional dos alunos. Não é fácil encontrar um só conceito que defina a música, pois ela abarca muitas dimensões. É uma forma de linguagem que utiliza a voz, instrumentos musicais e outros artifícios para expressar algo a alguém. De uma forma muito abrangente, podemos dizer que é a arte de exprimir sentimentos através de sons – a música é emoção.

Sendo assim, a Expressão Musical na escola é uma aliada natural da educação emocional e um recurso valioso para se atingirem objetivos como o desenvolvimento do espírito criativo e da imaginação, da memória, da concentração, da atenção, da autodisciplina, do respeito ao próximo, da socialização e afetividade, também contribuindo para uma efetiva consciência corporal. Portanto, a minha resposta à pergunta seria esta: a música suscita emoções, sensações e sentimentos, tende a tornar a criança mais equilibrada emocionalmente, mais motivada, mais criativa, mais integrada e, por conseguinte, a desenvolver melhor as suas capacidades.

São já 27 anos a lecionar a Educação e Expressão Musical no ensino pré-escolar e no 1º ciclo do Ensino Básico, e o meu grande desafio diário é, através da música, despertar em cada criança o melhor de si. Numa relação muito próxima com ela, conjugo o afeto e a firmeza, construindo uma disciplina positiva. É num ambiente alegre e regrado, que tanto os mais pequenos como os mais velhos experimentam emoções, tendo o prazer de rir à gargalhada ou até de chorar de comoção. Através de atividades lúdicas, criativas, verbais e não-verbais (canto e/ou expressão corporal), as crianças vivenciam e experimentam, interagem e aprendem conteúdos do programa.

Desenvolvo, desde 2008, o Projeto do Teatro Musical em idades do 1º ciclo, constatando que esta vertente artística entusiasma as crianças, deixando-as mais felizes, promovendo a autoconfiança e a concentração, ajudando a enfrentar medos e problemas, resgatando a autoestima, promovendo a superação da timidez, contribuindo para o conhecimento corporal e para o equilíbrio emocional.

Todos os anos, escrevo o argumento do teatro musical para ir ao encontro do projeto de trabalho que está a decorrer. Os alunos são envolvidos no processo e por vezes também participam na escrita das letras das canções. Tanto o argumento como as letras possuem conteúdos do programa e/ou do projeto. É assim que, através do canto e da representação, as crianças contactam com vocabulário, conceitos e adquirem vivências, consolidando conhecimentos, muitas vezes já abordados pela professora titular de turma. Este ano, o projeto de trabalho prendeu-se com o respeito pelas sete artes. Desta forma, os alunos puderam experimentar as artes cénicas (teatro/ dança/ coreografia), a literatura (através do argumento e das letras das canções), a pintura, a escultura e a arquitetura (através da representação e do canto). A arte da música e do cinema, deu-lhes a conhecer Charles Chaplin e algumas das suas obras cinematográficas e musicais- por exemplo, cantaram a célebre “Non-Sense Song”, que os fez rir à gargalhada.

A minha experiência mostra-me que aprender num ambiente alegre, regrado, motivador e organizado é, também, promover a felicidade. E que a música é a ferramenta ideal para fazermos da escola um lugar onde a aprendizagem e a felicidade possam seguir de mãos dadas!

Professora de Educação e Expressão Musical no Externato das Escravas do Sagrado Coração de Jesus. Finalista da 2ª Edição do Global Teacher Prize Portugal

‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
752

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)