Rádio Observador

História

Há 378 anos voltámos a ser Portugal /premium

Autor
242

A nossa independência nacional é tão antiga, uma das mais antigas na Europa, e muitas vezes os portugueses dão-na como adquirida. É um erro. Nada de importante deve ser tratado como se fosse adquirido

Ontem, 1 de Dezembro, celebraram-se os 378 anos da revolta dos Conjurados contra a União Ibérica. Portugal voltara a ser um país independente, depois de 60 anos sob o reinado dos Filipes. Mas em Portugal pareceu um sábado normal. Como não foi possível gozar o feriado, esqueceu-se a história.

Os jornais ignoraram completamente o significado da data. O Público foi mesmo longe chamando ao 1 de Dezembro o “dia mundial contra a sida.“ Acho muito bem que se preste atenção a uma doença tão grave e que se mostre solidariedade com os portadores do virus HIV. Nada contra e tudo a favor. Mas há no título do Público um toque provocador, e até crítico: como se a celebração do 1 de Dezembro de 1640 fosse uma manifestação nacionalista. Os semanários, o Sol e o Expresso, também ignoraram a Restauração da independência.

Em 1640, no contexto da luta das nações europeias contra a ordem imperial dos Habsburgos, um grupo de valentes cidadãos portugueses também se revoltou para restaurar a independência nacional e dar o poder à nova dinastia dos Bragança. Não interessa discutir a Guerra dos Trinta Anos e os conflitos europeus, mas foi seguramente um momento de resistência e revolta contra um poder imperial. Além da dimensão europeia, também interessa salientar o plano ibérico. Foi em Dezembro de 1640 que a nação portuguesa se tornou a única a garantir a sua independência perante o poder de Castela na Península Ibérica. Não deixa de ser extraordinário que haja em Portugal quem esteja mais disponível para entender as aspirações da Catalunha do que para celebrar a independência de Portugal.

A celebração da independência portuguesa nada tem de nacionalismo. Não há aqui qualquer hostilidade contra outras nações ou contra estrangeiros. Há o reconhecimento de que a auto-determinação nacional e a soberania política são condições para o exercício da liberdade. Não há liberdade nas nações subjugadas a poderes imperiais.

A nossa independência nacional é tão antiga, uma das mais antigas na Europa, que muitas vezes os portugueses a dão como adquirida. É um erro. Nada de importante deve ser tratado como se fosse adquirido. A vontade é a primeira condição para mantermos a nossa independência. Mas a vontade de lutar para manter a soberania nacional começa com o reconhecimento da história, com a consciência de que os nossos antepassados combateram e sofreram para conquistar e reconquistar a liberdade nacional. É verdade que sem democracia não há liberdade. Mas sem auto-determinação nacional também não há liberdade (nem democracia).

As gerações que herdam um país independente têm que cumprir uma obrigação: manter essa independência. Nem todas as intenções dos Conjurados de 1640 foram as mais nobres, mas o que interessa é o resultado. 378 anos depois, sinto-me agradecido por um grupo de portugueses ter acreditado que seria possível voltar a viver num Portugal independente. Compete-nos a nós preservar essa independência e passa-la às gerações futuras.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)