História

Há 378 anos voltámos a ser Portugal /premium

Autor
242

A nossa independência nacional é tão antiga, uma das mais antigas na Europa, e muitas vezes os portugueses dão-na como adquirida. É um erro. Nada de importante deve ser tratado como se fosse adquirido

Ontem, 1 de Dezembro, celebraram-se os 378 anos da revolta dos Conjurados contra a União Ibérica. Portugal voltara a ser um país independente, depois de 60 anos sob o reinado dos Filipes. Mas em Portugal pareceu um sábado normal. Como não foi possível gozar o feriado, esqueceu-se a história.

Os jornais ignoraram completamente o significado da data. O Público foi mesmo longe chamando ao 1 de Dezembro o “dia mundial contra a sida.“ Acho muito bem que se preste atenção a uma doença tão grave e que se mostre solidariedade com os portadores do virus HIV. Nada contra e tudo a favor. Mas há no título do Público um toque provocador, e até crítico: como se a celebração do 1 de Dezembro de 1640 fosse uma manifestação nacionalista. Os semanários, o Sol e o Expresso, também ignoraram a Restauração da independência.

Em 1640, no contexto da luta das nações europeias contra a ordem imperial dos Habsburgos, um grupo de valentes cidadãos portugueses também se revoltou para restaurar a independência nacional e dar o poder à nova dinastia dos Bragança. Não interessa discutir a Guerra dos Trinta Anos e os conflitos europeus, mas foi seguramente um momento de resistência e revolta contra um poder imperial. Além da dimensão europeia, também interessa salientar o plano ibérico. Foi em Dezembro de 1640 que a nação portuguesa se tornou a única a garantir a sua independência perante o poder de Castela na Península Ibérica. Não deixa de ser extraordinário que haja em Portugal quem esteja mais disponível para entender as aspirações da Catalunha do que para celebrar a independência de Portugal.

A celebração da independência portuguesa nada tem de nacionalismo. Não há aqui qualquer hostilidade contra outras nações ou contra estrangeiros. Há o reconhecimento de que a auto-determinação nacional e a soberania política são condições para o exercício da liberdade. Não há liberdade nas nações subjugadas a poderes imperiais.

A nossa independência nacional é tão antiga, uma das mais antigas na Europa, que muitas vezes os portugueses a dão como adquirida. É um erro. Nada de importante deve ser tratado como se fosse adquirido. A vontade é a primeira condição para mantermos a nossa independência. Mas a vontade de lutar para manter a soberania nacional começa com o reconhecimento da história, com a consciência de que os nossos antepassados combateram e sofreram para conquistar e reconquistar a liberdade nacional. É verdade que sem democracia não há liberdade. Mas sem auto-determinação nacional também não há liberdade (nem democracia).

As gerações que herdam um país independente têm que cumprir uma obrigação: manter essa independência. Nem todas as intenções dos Conjurados de 1640 foram as mais nobres, mas o que interessa é o resultado. 378 anos depois, sinto-me agradecido por um grupo de portugueses ter acreditado que seria possível voltar a viver num Portugal independente. Compete-nos a nós preservar essa independência e passa-la às gerações futuras.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.408

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

Porque sou de direita /premium

João Marques de Almeida
829

O regime democrático português democratizou a direita. Não há direitas anti-democráticas em Portugal. Mas quase 50 anos de democracia não foi suficiente para democratizar parte da esquerda portuguesa

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)