783kWh poupados
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Podcast “Fora do baralho” com Susana Peralta, Luís Aguiar-Conraria, Jorge Fernandes e João Marques de Almeida. Debate moderado por Vanessa Cruz. Lisboa, 25 de Novembro de 2021. FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

João Marques de Almeida

Colunista

Nasci em Luanda, em 1965. Licenciei-me em Relações Internacionais na Universidade Lusiada, depois fiz o Mestrado também em Relações Internacionais na Universidade de Kent, no Reino Unido e, a seguir, o Doutoramento em Relações Internacionais e Ciencia Politica na London School of Economics. Em Portugal dei aulas de Relações Internacionais e de Ciência Poltica na Universidade Lusíada, na Universidade de Coimbra e no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica. Fui assessor e, depois, Director do Instituto da Defesa Nacional, entre 2004 e 2006. Fiz igualmente investigação no Instituto Português de Relacoes Internacionais (IPRI). Em 2006, fui trabalhar para a Comissão Europeia, como assessor político de Durão Barroso, onde permaneci até ao final de 2012. Em Janeiro de 2013, regressei a Londres, para trabalhar no sector privado numa consultora, a Holdingham Group.

Artigos publicados

Pedro Passos Coelho

Um momento de liberdade

Passos disse aos portugueses que apesar de não concordar com todos os textos do livro, considera que os autores têm a liberdade de exprimir essas opiniões sem serem desqualificados e diabolizados.
Novo Governo

Um governo de combate não pode ter medo

Se o governo começar a fazer o que a maioria dos portugueses quer, aumentará o número de votos. Se não o fizer, perderá as próximas eleições.
Assembleia Da República

Habituem-se a viver com a incerteza

Portugal é um país mais fragmentado politicamente e, em democracias, a fragmentação causa combates parlamentares duros. É assim em todos os países europeus. Acontecerá o mesmo em Portugal. Habituem-se
Legislativas 2024

Uma enorme derrota das esquerdas

Só fantasias e distrações para esconder a realidade: as esquerdas sofreram uma das maiores derrotas de sempre da história da democracia portuguesa.  
Legislativas 2024

O Chega ajuda a democracia portuguesa

Muitos acusam o Chega de ser um partido racista. Eu vi a lista de todos os deputados. O Chega é o único partido que tem dois deputados de origem africana. Todos os outros são brancos e europeus.
Legislativas 2024

A AD é a única alternativa ao PS

Montenegro fez uma campanha consistente, profissional e sem cometer erros. Sobretudo, soube encontrar um registo que inspira confiança aos portugueses.
Legislativas 2024

Há uma guerra na Europa

Não me venham com o exemplo da geringonça. Em 2015 Putin não tinha começado uma guerra na Europa. Em 2024 já o fez. O modo como o PCP e o Bloco reagiram à guerra imperialista mostra que nada mudaram.
União Europeia

O segundo mandato de Von der Leyen

Além dos imponderáveis que irão certamente surgir, os dois grandes temas da nova Comissão serão a transição energética e a defesa europeia.
Pedro Nuno Santos

O muro que pode cair na cabeça de PNS

O PS quis fazer do Chega um problema para o PSD e a AD. A partir de 10 de Março, o Chega pode ser o principal problema do PS.
Açores

Uma vitória da AD e de Montenegro

As eleições dos Açores mostraram que, com maioria de direita no parlamento, mesmo com o Chega a crescer, pode haver um governo minoritário da AD porque o PS não se pode aliar aos “fascistas” do Chega.
Eleições

Não ofendam os eleitores do Chega

Há muitos eleitores que estão muito zangados com a classe política e têm razões para isso. Muito deles não sentem qualquer ilusão com o Chega ou com Ventura, mas pelo menos é novidade e nunca os traiu
Eleições

Finalmente, boas notícias da AD

A AD ficará conhecida por propor mais crescimento económico, menos impostos, uma economia apoiada nas empresas e não no Estado e defender a colaboração entre públicos e privados na saúde e na educação
PS

Um partido muito mentiroso

Como pode Costa pedir aos portugueses para votarem em Pedro Nuno Santos, se o demitiu por incompetência? Quem não serviu para ministro de Costa, serve para primeiro-ministro?
Crise Política

PSD tem de dizer ao país que merece enriquecer

Críticas ao PS estão longe de ser suficientes para vencer as eleições de modo convincente. Montenegro deve mostrar que tem as ideias e as propostas correctas para resolver os grandes problemas do país
PS

Uma campanha muito pobre

Quais são as propostas dos candidatos para a o serviço nacional de saúde? Ninguém sabe. O que pensam PNS e JLC sobre o estado da educação? Ninguém os ouviu dizer uma palavra sobre o assunto.
Crise Política

Eleições existenciais para o PSD

Se o PSD não ganhar as eleições depois do desastre que foi o governo socialista pode deixar de ser um partido de governo. E veríamos ainda, muito provavelmente, a mexicanização da política portuguesa.
PS

Olha o Pedro Nuno Santos é virgem

PNS quer passar a ideia que nada tem a ver com as antigas lideranças do PS. Mas foi um dos maiores apoiantes da geringonça e fazia parte do núcleo duro de Costa nos anos do frentismo de esquerda.
Crise Política

O problema é político não é com a justiça

As lutas do PS com a Justiça estão a destruir a democracia portuguesa. Os culpados são vítimas, e as vítimas são culpados. Mas estas lutas não acontecem num vácuo, para recuperar um termo de Guterres.
Conflito Israelo-palestiniano

Israel nada tem a ver com a Rússia

É necessária muita ignorância ou muita má fé para confundir o que não pode ser confundido. Ora, a maioria dos comentadores não é ignorante. Israel não é como a Rússia. E a Ucrânia não é como o Hamas.
Conflito Israelo-palestiniano

Equívocos e mentiras sobre Israel

Ao contrário de Israel, o Hamas mistura indiscriminadamente a população civil de Gaza com as suas forças armadas, esconde soldados e guarda armas em escolas, mesquitas e hospitais.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos