Orçamento do Estado

“Plano B” salva défice deste ano

288

Mário Centeno cumpre garantias exigidas por Bruxelas para evitar a multa pelo défice de 2015. Como? Não desbloqueia os 445 milhões dos orçamentos dos organismos. Sem isso, o défice subiria para 2,7%.

Plano B, plano de recurso, garantias adicionais… Chame-se o que se quiser, a verdade é que deverão ser essas medidas a salvação de um défice que permite que Portugal não volte a violar os compromissos com Bruxelas, ainda que ultrapasse a meta para a qual o orçamento deste ano estava desenhado para alcançar. Graças aos quais o Governo pode garantir à União Europeia que não vai desbloquear 445 milhões de euros de fundos dos orçamentos dos serviços do Estado, pouco mais que a cativação inédita introduzida no Orçamento deste ano.

Recorde-se que no OE deste ano, 2016, o Governo incluiu, como o faz todos os anos, um montante de cativações para controlar as contas dos serviços do Estado. Mas para garantir que o défice era cumprido, Mário Centeno introduziu uma cativação adicional na lei. E é essa medida que agora poderá salvar a meta assumida com Bruxelas.

As cativações são na prática uma ordem que define que uma parte dos orçamentos normais dos serviços para um determinado ano, e com um determinado fim – por exemplo consultadorias, estudos ou pareceres – só pode vir a ser usado depois de o restante montante já ter sido atingido e desde que o respetivo ministro peça, e receba, uma autorização escrita.

Uma das novidades de 2016 foi o próprio Governo ter admitido, no Programa de Estabilidade (PE) que enviou em abril à Comissão Europeia, que tinha no Orçamento um valor adicional de 0,19% do PIB em cativações para garantir o cumprimento do défice:

No caso de ser identificado um desvio significativo, após avaliação regular, o Governo dispõe de cativações adicionais, pela primeira vez na Lei do Orçamento do Estado, para o controle de despesa na aquisição de bens e serviços no montante de 0,19 pontos percentuais do PIB”, lia-se no PE.

No total, o Governo pediu, e o Parlamento acedeu, o congelamento de quase 1.700 milhões de euros (0,9% do PIB) dos orçamentos dos serviços do Estado, que só poderiam ser usados após autorização do ministro. Destes, 445 milhões de euros, garantiu o Governo neste Orçamento, não serão descongelados, de forma a compensar o impacto do desvio na receita fiscal – ficou muito aquém das previsões – nas contas públicas, e assim garantir que cumpre os compromissos com Bruxelas.

O agravamento do défice face às previsões anteriores deve-se essencialmente à desaceleração da atividade económica. A evolução menos dinâmica do consumo privado e dos preços no consumidor traduz-se numa menor coleta de receita fiscal. Contudo, o Governo encontra-se inteiramente comprometido com os compromissos assumidos com a Comissão Europeia, pelo que, por forma a compensar os desvios negativos identificados na receita fiscal, não serão utilizados 445 milhões de euros de cativos inscritos no Orçamento do Estado para 2016”, diz o Governo na proposta de Orçamento para este ano.

Sem poupar estes 445 milhões de euros, usando os números do Governo inscritos neste Orçamento do Estado para 2017, o défice subiria para quase 2,7% do PIB, superior em meio ponto percentual à meta usada para desenhar o orçamento deste ano, e duas décimas acima da meta (já flexibilizada em agosto) imposta pela União Europeia.

A última previsão da Comissão Europeia para o défice orçamental do Estado português é que atinja, precisamente, 2,7% do PIB, uma previsão que data de maio.

A diferença face ao previsto será ainda maior caso o Governo esteja a contar com os 100 milhões que prevê arrecadar com o programa PERES, o perdão fiscal que ninguém do Executivo assume que é perdão fiscal, apesar de ser em quase tudo semelhante (com exceção do plano de prestações) ao programa usado pelo anterior Governo PSD/CDS-PP. PSD e CDS-PP, que agora acusam o Governo de usar um perdão fiscal para controlar o défice, também na altura recusaram que fosse um perdão fiscal e que tivesse essa finalidade. E o PS fazia-lhes as mesmas acusações que agora rejeita.

Mas estas cativações não são apenas uma folga que não é usada, é também dinheiro que sai de áreas como a saúde, as empresas públicas e outros institutos públicos. No caso da saúde, como o Observador noticiou no final de setembro, o Governo emitiu mesmo um despacho a congelar quaisquer despesas de investimento. Essas despesas ficaram limitadas até ao final do ano a uma autorização prévia do ministro da Saúde, que impôs ainda uma limitação aos gastos acima da média dos últimos oito meses, em despesas que incluem a reposição de materiais e até de medicamentos, entre outros.

E esta ordem acontece mesmo depois de o próprio ministro da Saúde admitir que o Orçamento para este ano não tinha previsto dinheiro suficiente para fazer face às suas necessidades. A justificação do secretário de Estado da Saúde, que assinou este documento, é que o mesmo serve apenas para evitar surpresas na parte final do ano.

O Plano B que nunca existiu

Não há, nunca houve e o Governo nunca o iria usar se existisse porque não era necessário. António Costa disse-o, Mário Centeno repetiu-o, ainda que com algumas nuances no discurso. A história do famoso plano B foi a questão mais polémica do Orçamento de 2016, apresentado em fevereiro.

A Comissão Europeia só não chumbou o orçamento português depois de uma intensa negociação com o Governo que terminou com a cedência de Costa e Centeno. Cedência feita numa carta enviada já na madrugada de dia 5 de fevereiro, onde se deixava cair a aplicação da redução em 1,5 pontos percentuais da TSU para os trabalhadores com vencimentos até 600 euros.

O Orçamento para 2016 passou no primeiro exame, mas teve um primeiro embate com o Eurogrupo. Como o esforço orçamental estava no mínimo legal que permitia a sua aprovação, a Comissão classificou o orçamento como em risco de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

A 9 de fevereiro, como noticiou o Observador, numa teleconferência entre os adjuntos dos ministros para preparar a reunião decisiva de dia 11, os representantes da Alemanha, Holanda e Áustria defenderam que Portugal tinha de preparar um plano de recurso com medidas para evitar que o país voltasse a falhar com os seus compromissos (já se antecipava a derrapagem em 2015 devido à resolução do Banif).

A Comissão concordou com estes países da tradicional linha dura do Eurogrupo (a que se juntou a Finlândia), e dessa reunião preparatória saiu um pré-acordo do que seria discutido, e aprovado, na reunião do Eurogrupo dois dias depois.

De acordo com o parecer da Comissão, a proposta de orçamento de Portugal está em risco de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento. O Eurogrupo emitiu um comunicado concordando com as conclusões da Comissão e elogiar o compromisso do Governo português de preparar medidas adicionais para implementar quando necessário para garantir que o orçamento de 2016 cumpre as regras do Pacto [de Estabilidade e Crescimento]”, disse o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, na conferência de imprensa que se seguiu a essa reunião de dia 11.

Mário Centeno admitiu isso mesmo depois da reunião, de que o Governo português se tinha comprometido com o Eurogrupo. Mas daí em diante disse sempre que não havia um plano B, apenas o plano A, que era o cumprimento da execução orçamental.

A informação das cativações inéditas foi avançada apenas no Programa de Estabilidade. O PE era um dos documentos de que a Comissão Europeia estava à espera para avaliar se iria considerar que Portugal estava em incumprimento e se avançaria com um processo de sanções inédito contra Portugal.

E foi com essa ameaça de sanções que a Comissão Europeia e os países da linha dura do Eurogrupo jogaram para exigir de Portugal o que sempre quiseram, o cumprimento da meta do défice deste ano. Quando o ministro das Finanças se reuniu com os seus pares no Eurogrupo da 11 de julho (o tal em que entrou de cachecol da seleção portuguesa ao pescoço a celebrar a inédita vitória de Portugal no Campeonato Europeu de futebol em França na véspera), foi isso mesmo que os ministros e a Comissão Europeia lhe disseram: para não haver sanções contra Portugal, tinha de haver garantias do Governo de que a meta ia ser cumprida, o que o Observador na altura.

Eurogroup Finance ministers meeting

A linha dura do Eurogrupo queria mostrar que estava firme na exigência do cumprimento das regras, mas mostrou-se recetiva a que a sanção fosse zero desde que o procedimento avançasse para a próxima fase. Foi isso mesmo que veio a acontecer: Portugal apresentou garantias aos ministros europeus e mostrou como pretendia controlar o défice este ano e recebeu em troca o cancelamento da multa.

O que aí vem

Mas o processo não morreu aqui. A Comissão continua à espera de ver os resultados práticos das medidas apresentadas e tem feito depender um eventual cancelamento da proposta de suspensão de fundos europeus das garantias que Portugal apresentará não só para este ano, mas também para o seguintes. Ou seja, que irá reduzir o défice estrutural na medida que tem sido exigida pelos parceiros europeus: 0,6% do PIB, cerca de 1100 milhões de euros.

Nas conversas tidas durante a discussão com o Governo português (não confundir com negociações, que a Comissão só aceita que estas se desenvolvam assim que a formalidade da entrega da proposta de orçamento seja completada), a Comissão tem-se mostrado inflexível: a meta de redução do défice estrutural em 0,6 pontos percentuais acordada com o Conselho da União Europeia é para ser cumprida, sem qualquer flexibilização. E tem forçado o Governo a ir ao seu encontro.

O Governo acedeu, pelo menos para já, às pretensões europeias e reviu o défice estrutural e o défice global para cumprir essas metas. Nos números que usou nas negociações com os partidos, o Executivo previa um défice orçamental de 1,7% do PIB e uma redução do défice estrutural de 0,5 pontos percentuais, mas o valor final que acabou por ser inscrito no Orçamento acabou por cair para os 1,6% do PIB no caso do défice orçamental, com uma redução de 0,6% do PIB no défice estrutural, tal como exigido por Bruxelas.

Esta segunda-feira a proposta de Orçamento para 2017 segue para Bruxelas, juntamente com um relatório onde o Governo tem de explicar o que tem feito para cumprir o ajustamento exigido pelo Conselho.

A partir daí, a Comissão tem duas semanas para se pronunciar sobre o Orçamento, caso decida aprovar, ou três semanas, caso decida chumbar, exigindo uma nova proposta ao Governo. Esta segunda hipótese é algo que não deve acontecer, pois nesta fase é avaliada apenas a legalidade do documento, ou seja, se o esforço orçamental é de pelo menos 0,1 pontos percentuais do PIB (a regra é que não pode ser inferior a 0,5 pontos percentuais do objetivo estabelecido, que é de 0,6 pp).

Mas quanto a levantar a eventual suspensão dos fundos europeus é já uma conversa diferente. Ainda nem sequer está decidida qual vai ser a proposta da Comissão (que se diz obrigada a propor a suspensão parcial de fundos) e o Parlamento está a atrasar o processo. Agora pediu para ouvir os países faltosos (Espanha e Portugal), depois de já ter exigido ouvir a Comissão Europeia ao abrigo do diálogo estruturado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nmartins@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro
120

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Incêndios

O governo da desistência nacional

Rui Ramos

Houve quem tivesse notado que nenhum outro presidente da república fora tão duro desde o general Eanes. Mas o ponto é que também nunca um chefe de governo foi tão frouxo na sua resposta ao presidente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site