Logo Observador
Sintra

Marco Almeida regressa como candidato em Sintra, agora com o apoio do PSD

160

A comissão política distrital do PSD em Lisboa aprovou há uma semana o apoio a Marco Almeida para uma candidatura à Câmara de Sintra. Em 2013 candidatou-se como independente contra o seu partido.

Em 2013, Marco Almeida ficou a menos de dois mil votos do candidato vencedor Basílio Horta.

Nas autárquicas de 2013 não foi o escolhido pelo seu partido, o PSD, para se apresentar como candidato à Câmara Municipal de Sintra, mesmo assim Marco Almeida concorreu com independente, contra o candidato social-democrata Pedro Pinto. Mas nas autárquicas do próximo ano tudo será diferente e Marco Almeida vai avançar novamente por Sintra, desta vez com o apoio do PSD.

O anúncio da candidatura será feito esta quarta-feira, na Pousada D. Maria I em Queluz. E ao Observador, o presidente do PSD-Lisboa Miguel Pinto Luz confirmou que o partido vai apoiar Marco Almeida. A decisão foi tomada na semana passada, numa reunião da comissão política distrital do partido em Lisboa, com 28 votos a favor e apenas uma abstenção. A Comissão Política Nacional do partido só tem o poder de homologar a decisão tomada pelas direções distritais.

Em 2013, Marco Almeida candidatou-se como independente, mesmo com o PSD a preferir avançar com outro candidato, Pedro Pinto, e nessa altura teve um resultado muito próximo do de Basílio Horta, ficando apenas a uma diferença de 1738 votos e com o dobro dos votos do candidato apoiado pela direção do partido. Marco Almeida estreou-se em funções autárquicas em 1993, no executivo da Junta de Freguesia de Agualva-Cacém. Entre 2001 e 2013 foi vice-presidente da Câmara Municipal de Sintra, era Fernando Seara o presidente.

Esta quarta-feira, dia em que anuncia a recandidatura, faz também um jantar do 4º aniversário do movimento de cidadãos que apoiou a sua candidatura em 2013, onde vai contar com a presença de António Capucho, Carmona Rodrigues, Ribeiro e Castro, Miguel Pinto Luz e António Lamas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt