Logo Observador
Câmara Municipal Lisboa

Câmara de Lisboa ocultou do site atrasos nas obras

819

O site da Câmara Municipal de Lisboa chegou a ter indicação de atrasos em, pelo menos, três obras específicas, mas entretanto essa referência foi eliminada, escreve o Diário de Notícias.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) terá eliminado do site as previsões originais para a data de conclusão de três obras na cidade, escreve esta terça-feira o Diário de Notícias. De acordo com o jornal, no início da semana passada a página da câmara na internet apresentava a indicação de que três obras (Largo de Santos, Largo da Graça e Rua de Campolide), que arrancaram em maio e tinham conclusão prevista em outubro, iriam ficar prontas mais tarde do que o previsto.

Poucos dias depois, após o DN ter questionado a autarquia sobre o motivo do atraso naquelas obras, a CML modificou o site, onde passou a constar apenas uma nova data de conclusão, sem referência a atrasos nos trabalhos.

A autarquia explicou depois àquele jornal que as três obras específicas tiveram motivos diferentes para o atraso. No Largo da Graça, foram os arraiais dos santos populares, em maio, e a descoberta do troço da Muralha Fernandina. No Largo de Santos, o atraso deveu-se à EDP, que terá aproveitado a circunstância para fazer obras. E em Campolide, foi preciso garantir um percurso alternativo à Carris.

Estas três obras, cujos atrasos foram ocultados da página, representam um investimento conjunto de 4,2 milhões de euros. As obras fazem parte do projeto ‘Uma Praça em cada Bairro’, que inclui 32 intervenções em bairros lisboetas.

Ouvidos pelo DN, vereadores da oposição acusam a câmara de falta de transparência e de eleitoralismo, e sublinham que o executivo de Fernando Medina foi demasiado ambicioso com a quantidade de obras que quis implementar em Lisboa. Também os comerciantes se mostram preocupados com o impacto das obras por toda a cidade nos transportes, que, especialmente na época festiva, estão a dificultar o abastecimento das lojas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt