Medicamentos

Infarmed alerta para uso exagerado de omeprazol

505

Medicamento para úlcera gástrica e refluxo gastro-esofágico pode ter consequências adversas se for consumido durante um longo período de tempo e sem prescrição médica.

Consumo exagerado de omeprazol pode piorar a osteoporose nas mulheres, avisa o Infarmed

Getty Images

O presidente da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), Henrique Luz Rodrigues, alertou, numa entrevista à agência Lusa, para os riscos da automedicação com omeprazol, um medicamento utilizado para amenizar os sintomas da úlcera gástrica e do refluxo gastro-esofágico, cuja utilização prolongada sem indicação médica tem “efeitos adversos importantes a prazo”.

Henrique Luz Rodrigues manifestou preocupação com a forma como os portugueses estão a consumir o omeprazol porque se trata de um medicamento que pode ser vendido sem receita médica e cujo leque de indicações clínicas é bastante abrangente. Os profissionais de saúde têm alertado para o uso deste medicamente para condições menos graves como, por exemplo, o alívio de sensações de enfartamento. A preocupação, diz Henrique Luz Rodrigues, “é mundial”. Só nos últimos nove meses de 2016, os portugueses adquiriram mais de 2,1 milhões de embalagens de omeprazol. E há dados que revelam que Portugal é campeão nesta matéria.

O Infarmed vai por no terreno uma campanha de sensibilização, cujo principal objetivo é “melhorar a automedicação”, disse Henrique Luz Rodrigues. A toma prolongada deste medicamento pode causar problemas “como a osteoporose nas mulheres e o agravamento dos sintomas nos doentes com infeções respiratórias”, disse ainda o responsável.

Apesar de reconhecer que existem outros medicamentos que também devem merecer a atenção do regulador, Henrique Luz Rodrigues disse que esta campanha vai ser a primeira e deverá começar ainda este mês ou em fevereiro com o objetivo de “alertar para os efeitos adversos e apara as alternativas que possam ser benéficas”.

Em 2014, um estudo publicado na revista científica da Associação de Médicos Americanos (JAMA) atribuiu à ingestão prolongada deste fármaco e de outros semelhantes uma carência da vitamina B12.

A investigação refere que as pessoas que tomaram diariamente um medicamento do grupo do omeprazol durante dois ou mais anos tinham 65% mais probabilidade de registar níveis baixos de vitamina B12, que tem um papel importante na formação de novas células, do que os que não ingeriram o fármaco.

Já em 2016, um novo estudo publicado na edição online da JAMA Neurology confirmou a associação entre os inibidores da bomba de protões e um maior risco de demência em pacientes idosos.”Infelizmente, o excesso de prescrição” destes fármacos “é relatado com frequência”, disse uma coautora do estudo, Britta Haenisch, do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
Sociedade

Um raríssimo Portugal

Paulo de Almeida Sande

Somos o povo acomodado, que exprime a angústia latente da bondade resignada, convencido de estar destinado à subalternidade, um povo submisso, que emula o estrangeiro e desdenha o nacional. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site