Logo Observador
Papa em Fátima

Papa Francisco e cardeais decidem data e hora de canonização de pastorinhos

O papa Francisco preside na quarta-feira ao consistório, no Vaticano, em que será decidida a data e o local da canonização de 37 beatos, entre eles os pastorinhos de Fátima Francisco e Jacinta.

L'OSSERVATORE ROMANO / HANDOUT/EPA

O papa Francisco preside na quarta-feira ao consistório, no Vaticano, em que será decidida a data e o local da canonização de 37 beatos, entre eles os pastorinhos de Fátima Francisco e Jacinta.

A decisão está agora nas mãos dos cardeais e de Francisco, que estará Fátima a 12 e 13 de maio, e será a última etapa antes da cerimónia de canonização, um processo que se arrasta há 67 anos, desde 1950.

A canonização de Francisco e Jacinta, beatificados pelo papa João Paulo II, em Fátima, a 13 de maio de 2000, estava dependente do reconhecimento de um milagre, a cura de uma criança brasileira, em 2013, o que aconteceu a 23 de março.

Ninguém, até hoje, na hierarquia da Igreja portuguesa, se pronunciou abertamente sobre a possibilidade de o papa argentino aproveitar a visita a Fátima para canonizar os dois pastorinhos.

No dia em que se soube da notícia da aprovação por Jorge Bergoglio do milagre atribuído a Jacinta e Francisco, o cardeal patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, confessou-se “muito feliz” com a notícia, afirmando que “cabe ao Santo Padre decidir quando” fará a canonização.

“Compete apenas ao Santo Padre [papa Francisco] escolher a data e o local da celebração da canonização. Aguardamos o consistório de 20 de abril para essa comunicação”, disse, nesse dia, o bispo de Leiria-Fátima, António Marto.

Francisco e Jacinta faleceram ainda crianças, pouco depois de, com a sua prima Lúcia de Jesus (1907-2005), terem estado na origem do fenómeno de Fátima.

Oriundos de uma “humilde família” de Aljustrel (na paróquia de Fátima, concelho de Ourém), no seio da qual “aprenderam a doutrina cristã”, as duas crianças começaram a pastorear o rebanho dos pais em 1916, atividade no âmbito da qual vieram a assistir às “aparições” de um anjo, nesse ano, e da Virgem Maria, no ano seguinte.

De acordo com informação da Sala de Imprensa do Vaticano, a reunião de cardeais, presidida pelo papa, inicia-se às 10:00 no Palácio Apostólico do Vaticano, em Roma, para a “celebração da Hora Média e o Consistório Ordinário Público para a Canonização dos Bem-aventurados”, 37 no total.

Francisco será o quarto papa a visitar Fátima, a 12 e 13 de maio, para o centenário das “aparições”, em 1917, tendo também previstos encontros com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa.

Os anteriores papas a estar na Cova da Iria foram Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O vídeo das nossas vidas

Helena Matos
904

Beija-mão presidencial ao Papa em Monte Real. Um primeiro-ministro a brincar às amas. O país olha para o lado. E indigna-se com o "Correio da Manhã". É a propaganda, senhores. É a propaganda.

Papa em Fátima

«Temos Mãe!»

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
700

É natural que os pais se alegrem com os êxitos dos seus filhos, mas não é comum que assumam as suas culpas quando sofrem a tristeza de um filho os ferir com a indignidade de um comportamento criminoso

Felicidade

Portugal

Paulo Tunhas

Acaso Fátima, o Benfica e o “Amar pelos dois” nos vão mudar, para melhor ou para pior, colectivamente, a vida? É claro que não. E pretender o contrário é pura e simplesmente falso.

Crónica

A estranha geração dos adultos mimados

Ruth Manus
3.777

O fato de termos sido criados com cuidado e afeto pelos nossos pais, começou a confundir-se com uma espécie de sensação de que todos devem nos tratar como eles nos trataram.