Logo Observador
25 de Abril

Juventude Popular usa foto de Salgueiro Maia sem autorização. “Vou processar o CDS”

3.136

Para assinalar o 25 de Abril, a Juventude Popular fez uma montagem com filtro azul do icónico retrato de Salgueiro Maia. Mas não pediu autorização ao autor da imagem. Alfredo Cunha está "furioso".

Pormenor da montagem que a Juventude Popular publicou, a propósito do 25 de Abril.

O fotógrafo Alfredo Cunha vai processar o CDS-PP por ter utilizado e adulterado o retrato de Salgueiro Maia sem ter pedido autorização. “E ainda inverteram, recortaram, abandalharam a fotografia toda. Estou furioso”, diz ao Observador.

O cartaz em questão surgiu terça-feira na página de Facebook da Juventude Popular. Para assinalar o 25 de Abril, a JP recortou a foto que Alfredo Cunha tirou a Salgueiro Maia no dia da Revolução, em 1974, colocou um filtro azul e escreveu: “25 de Abril. A Liberdade é de quem a dá aos outros! … e Não dos que se afirmam donos dela (sic).”

Alfredo Cunha reagiu também no Facebook. No seu perfil, acusa os autores do cartaz de “abusadores e ladrões”. Ao Observador, lembra que há mais de 20 anos que não vende a fotografia de Salgueiro Maia, embora autorize a sua utilização gratuita a quase toda a gente que lhe pede para partilhar a imagem, desde que os créditos ao fotógrafo sejam assinalados.

“Mas nunca autorizaria para o CDS. Primeiro, porque politicamente não tenho nada a ver com o CDS, nem gosto. Depois, porque não quero que o retrato sirva para propaganda política. Ainda por cima com aquele paleio!”, lamenta, referindo-se às mensagens colocadas sobre a imagem.

Alfredo Cunha vai avançar para a Justiça, mesmo que a JP decida agora retirar a imagem. “O crime está cometido, o mal esta feito”, conclui. “Ainda por cima vêm pregar moral sobre a liberdade? Vou para tribunal, para eles aprenderem a respeitar a liberdade dos outros. E muito menos aceito que a fotografia seja recortada e virada ao contrário, é uma deturpação da verdade.”

Juventude Popular não retira imagem. “Não podemos aderir a esta política de exclusão”

Contactado pelo Observador, Francisco Rodrigues dos Santos, presidente da JP, começa por lamentar ter tido conhecimento do descontentamento do autor da fotografia “pelos fóruns públicos” e não por parte do autor. “Não nos chegou de forma oficial qualquer contestação”, frisa, acrescentando que a JP está disponível, caso seja solicitado, para adicionar os créditos do autor da imagem. Mas recusa apagá-la.

Sem fazer referência à falta do pedido de autorização, e informado de que o autor não dará autorização para a utilização da imagem para fins políticos, Francisco Rodrigues dos Santos endurece a sua posição. “Isso desqualifica mais o autor do que a Juventude Popular. Porque quer excluir as novas gerações de centro direita do acesso ao direito democrático”, sublinha.

Questionado sobre os direitos de autor da imagem, o líder dos jovens centristas lembra que a intenção foi “formular uma reflexão de Abril” e lembrar “o saudoso capitão Salgueiro Maia, num gesto pacifico e singelo”. Quanto à foto, considera que é “património imaterial do país“, e recusa apagar o cartaz mesmo tendo de enfrentar um processo em tribunal, por acreditar que negar a utilização da imagem põe em causa “a participação nas comemorações de um dia que é da população e do povo português”.

Isso soa-nos à negação dos valores históricos da revolução e aproxima-se aos tempos da ditadura e do PREC. Nós celebramos a efeméride ao estilo do que se faz pelo país inteiro, usando uma foto utilizada muitas vezes sem haver referencia ao seu autor, porque se enquadra nas comemorações de Abril.”

A fotografia original, tirada a 25 de Abril de 1974. © Alfredo Cunha

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: socoelho@observador.pt
Marcelo Rebelo de Sousa

Um símbolo de Abril

Helena Matos
1.011

Marcelo é o produto acabado desse paradoxo que é a direita portuguesa em 43 anos de democracia: pode ser popular mas não pode ser mais nada. Deixar ou não cair Marcelo é o próximo dilema da direita.