Logo Observador
Educação

Alunos portugueses têm horas a mais de aulas, diz especialista da OCDE

2.471

Andreas Schleicher, diretor da OCDE para a educação e competências, defende que os jovens são bons a reproduzir conhecimentos mas, em geral, têm dificuldades em extrapolar e aplicar o que aprendem.

Getty Images

Os jovens portugueses passam muito tempo nas aulas e os professores têm pouco tempo para fazer outras coisas além de dar matéria. O diagnóstico é de Andreas Schleicher, diretor da OCDE para a educação e competências, que deu uma entrevista à TSF em antecipação ao evento “Educação 2030”, que se realiza em Portugal até 18 de maio e reúne professores, alunos, investigadores e responsáveis políticos de mais de 30 países.

Se analisarmos entre os diferentes países descobrimos que quanto mais horas de aulas têm, piores são os resultados nos testes PISA. A resposta está na qualidade da aprendizagem, que é sempre produto da igualdade de oportunidades e da qualidade do ensino. Portugal investiu muito na quantidade do ensino, os alunos têm muitas horas de aulas. É tempo de investir mais na qualidade do ensino. É este o desafio para Portugal, não pensar que precisam de ter mais horas do mesmo mas, sim, usar o tempo dos alunos e dos professores de forma mais eficiente”.

Numa análise crítica em relação ao ensino em Portugal, o especialista diz que “uma das razões pelas quais não está a ter melhores resultados é porque os alunos são muito bons a reproduzir conhecimentos mas ainda não conseguem muito bem extrapolar os conhecimentos e aplicá-los em situações não familiares. É isso mesmo que o mundo espera deles. Acho que esta é uma área que deveria merecer mais atenção”, recomenda.

Outra crítica é o excesso de chumbos. “Repetir o ano não ajuda os alunos a melhorar, é estigmatizante e custa ao país uma enorme quantidade de dinheiro, entre 15 e 20 mil euros por cada aluno repetente”. Qual é a solução para isso? “A resposta não passa pela progressão automática mas por uma sinalização mais precoce de quando os alunos estão a ficar para trás. É preciso dar mais apoio aos professores, os professores em Portugal continuam a ter muito pouco tempo para fazer outras coisas além de dar matéria”.

Onde tem havido indicadores mais positivos é no abandono escolar, onde os números têm caído mas continuam entre os mais elevados da Europa. Ainda assim, Andreas Schleicher diz que “a redução do abandono escolar não é fruto de medidas específicas mas da falta de crescimento económico — por não encontrarem alternativas no mercado de trabalho, alguns estudantes mantêm-se na escola”. A prova de fogo será quando a economia melhorar e houver alternativas no mercado de trabalho, os jovens vão continuar na escola?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.

Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados