Economia

“Não se fez nada para” crescer 2,8%. “Aconteceu”, diz João Salgueiro

6.271

João Salgueiro, antigo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, diz que o Governo não fez nada para conseguir este crescimento, que se deveu "basicamente ao turismo".

MÁRIO CRUZ/LUSA

João Salgueiro, antigo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, defende que o Governo não fez nada para conseguir o crescimento de 2,8% , que se deveu “basicamente ao turismo”.

“Termos conseguido um bom trimestre não resolve nenhum problema e fez bem o sr. Presidente da República em dizer para não embandeirarmos em arco”, diz João Salgueiro. Questionado, na entrevista feita pelo Jornal de Negócios e Antena 1, sobre se este não era um “bom começo”, João Salgueiro respondeu que “não, porque não se fez nada para isso. Aconteceu, este trimestre”, afirma.

O crescimento económico no primeiro trimestre foi de 2,8%, na comparação (homóloga) com o primeiro trimestre de 2016, um trimestre que tinha sido muito negativo para a economia portuguesa, com o governo a negociar o Orçamento do Estado para esse ano com a Comissão Europeia e com a agência DBRS a ameaçar cortar o rating de Portugal, o que levaria provavelmente a um novo resgate.

Salgueiro lembrou a instabilidade no Médio Oriente e no Mediterrâneo como um fator que tem ajudado o turismo. “Nós estamos a viver do turismo, basicamente. O turismo tem resolvido grandes problemas e os indicadores positivos que temos tido vêm daí”, defende o ex-banqueiro, notando que “não houve nenhuma estratégia nossa nesse sentido, devia haver” e que no país se “continua a discutir se aumentar a despesa pública corrente não é algo bom”.

Na entrevista da Antena 1 e Jornal de Negócios, Salgueiro acrescentou, também, que não concorda com a solução para o Novo Banco porque “os bancos vão estar a financiar um concorrente que ainda tem um bónus para atuar em Portugal, 30 anos a pagar para um concorrente que parte em vantagem”. “Há um mal-estar grande na banca nessa matéria”, conclui João Salgueiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Economia

Parece que acabou a festa do dinheiro

Manuel Villaverde Cabral

O orçamento para 2018 acabou por se transformar num regabofe demagógico de promessas impossíveis de cumprir. As reformas que o país necessitava ter feito ou foram desfeitas ou ficaram pelo caminho.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site