Fogo de Pedrógão Grande

Salvador Sobral pede desculpa por piada em concerto solidário

2.846

O cantor recorreu à sua página de Facebook para pedir desculpa pela piada que fez durante o concerto de solidariedade. Mas já não é a primeira vez que um comentário seu gera controvérsia.

Salvador Sobral encerrou o concerto de beneficência às vítimas do incêndio em Pedrógão Grande

HENRIQUE CASINHAS/OBSERVADOR

Salvador Sobral pediu desculpa, esta quarta-feira, pelo comentário que fez durante a sua atuação no concerto de solidariedade “Juntos por Todos”, para angariar dinheiro para as vítimas do incêndio em Pedrógão Grande. A meio da música, Salvador decidiu fazer uma graça: “Eu sinto que posso fazer qualquer coisa que vocês aplaudem. Vou mandar um peido a ver o que é que acontece”.

Numa mensagem deixada esta tarde na sua página de Facebook, o cantor de 27 anos reconhece ter sido “bastante inoportuno” e pede que a sua “triste intervenção” não faça com que as pessoas se esqueçam do “passo” dado na noite de ontem.

Sempre falei duas vezes antes de pensar. Esta minha característica tem a sua parte boa e também a parte má. Ontem, infelizmente, reconheço que fui bastante inoportuno. Espero que esta triste intervenção não nos faça esquecer o passo que demos juntos, desde os músicos até vocês que contribuíram para ajudar aqueles que estão em sofrimento neste momento, que são o mais importante no meio de tudo isto.”

Salvador acrescenta que nunca foi sua intenção ofender ninguém: “Peço desculpa se ofendi alguém, sinceramente. Não era a minha intenção, nunca foi”.

“Lamentável” ou “irreverência”?

A atuação de Salvador Sobral gerou imediatamente polémica. Na sua página de Facebook choveram (e continuam a chover) críticas ao cantor de 27 anos, mas pelo meio ainda há alguns elogios. Mas não é a primeira vez que um dos seus comentários gera controvérsia.

“Peido Salvador ??? Deverias estar muito orgulhoso por fechar o espetáculo e não terminar da forma lamentável que o fizeste. Não eras o centro do espetáculo. Lamentável meu caro lamentável”; “Demonstrou total falta de respeito por todos nós pelos nossos sentimentos e por si, revelando ser um jovem sem sensibilidade e a necessitar de tratamento psicológico. Espero que se retrate, dirigindo um Franco pedido de desculpas a todos os portugueses!”; “Lamentável a falta de respeito e humildade… como queres respeito se não respeitas? ” são apenas alguns dos comentários na fotografia sobre o concerto que o artista partilhou.

Juntos por Todos angariou mais de 1 milhão de euros para as vítimas do fogo de Pedrógão Grande

Mas nem todos criticaram o seu comentário. “Sorri com o comentário das ventosidades intestinais! A maldade está na cabeça das pessoas moralistas mas que não se olham ao espelho! (…) Confesso que não foi amor à primeira vista mas tens-me conquistado pela tua irreverência! Bem hajas!”, escreveu uma admiradora. “Boa Salvador! Um peido nos falsos moralismos e nos abutres que em vez de serem capazes de olhar e ouvir estão sempre à espera de um erro ou de um gesto para ajudarem a matar. Não bastam os políticos abutres agora também temos frequentes ondas de facebookianas de carrascos à espreita”, escreve outro utilizador das redes sociais.

O Twitter também se encheu de críticas e elogios:

Outras polémicas

Esta não é a primeira vez que o artista faz esta afirmação durante um concerto. Nem é a primeira vez que um comentário seu gera controvérsia.

Na conferência de imprensa em Kiev, depois de ter vencido o Festival da Canção, o cantor estava a responder em inglês a uma pergunta de um jornalista, mas engasgou-se por momentos. Foi aí que disse: “Foda-se”, e depois continuou com o discurso em inglês.

Durante o programa “5 para a meia-noite”, Salvador Sobral confessou ter atuado sob efeito de drogas. “Em Maiorca, onde fiz Erasmus — em Erasmus é obrigatório fazer drogas –, quando comecei a cantar para ganhar coragem… fumava. Houve uma certa altura em que pensei que só podia cantar bem se fumasse”, afirmou o cantor.

Novamente no programa da RTP1, onde atuou com o seu projeto “Alexander Search”, quando a apresentadora Filomena Cautela lhe perguntou o que faria se o público lhe pedisse para cantar “Amar pelos Dois” durante um concerto de “Alexander Search”, a resposta foi: “Vão todos para o caralho”.

Outra das polémicas foi quando disse, durante uma entrevista à TVI, a propósito do atentado em Manchester, que se estava a dar demasiada importância aos atentados terroristas. “Gostava de experimentar um ataque que não fosse noticiado”, disse. Uma declaração que lhe valeu fortes críticas, em particular da atriz Maria Vieira. “Este fulano é um idiota encartado que não diz o que sabe nem sabe o que diz”, escreveu a atriz no Facebook, num comentário numa notícia sobre o assunto — que entretanto apagou, refere o Jornal de Notícias.

Crónica. A canção não corta o fogo

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Política

Rescaldo de um verão muito quente

André Ribeiro da Cunha

Uma descoordenação inacreditável entre as entidades responsáveis, dezenas de armas desaparecidas, e tudo não foi mais do que uma série de eventos desafortunados num Verão especialmente quente. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site