Logo Observador
Ministério da Defesa

Cinco comandantes demitidos na sequência do roubo de armas em Tancos

3.878

O Chefe do Estado-Maior do Exército decidiu exonerar cinco comandantes para não interferirem nas averiguações, na sequência do roubo das armas, em Tancos. E não lhe passa pela cabeça demitir-se.

O chefe do Estado-Maior do Exército revelou que mandou abrir três processos de averiguações

JOHN D MCHUGH/AFP/Getty Images

O chefe do Estado-Maior do Exército, General Rovisco Duarte, revelou, este sábado, na RTP, que decidiu exonerar os cinco comandantes das unidades ligadas à segurança dos paióis de Tancos de onde foram roubadas armas de guerra, na passada noite ou madrugada de terça para quarta-feira.

Foram demitidos o Comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reação Rápida, o Comandante do Regimento de Infantaria 15, o Comandante do Regimento de Paraquedistas, o Comandante do Regimento de Engenharia 1 e o Comandante da Unidade de Apoios Geral do Material do Exército, anunciou o General Rovisco Duarte, explicando que são os comandantes das unidades que dão forças à segurança física e militar dos paióis.

Questionado sobre se os comandantes não terão zelado pela segurança do paióis, o general negou-se a dizer que tenha insinuado isso com estas exonerações.

O ponto é: como esses comandantes são quem nomeia os militares que fazem as rondas e asseguram a proteção do local, “exonerei-os por uma questão de clareza e para não interferirem com o processo de averiguações”, explicou o chefe do Estado-Maior do Exército, depois de revelar que mandou abrir três processos de averiguações. Um no âmbito funcional, “que tem a ver com a armazenagem e gestão do material”, um segundo relacionado com a averiguação de segurança “que tem a ver com a intrusão e aí estão envolvidas todas as unidades que reforçam a segurança do paiol” e um terceiro que recairá sobre o sistema de vigilância “que tem a ver com o projeto que o Exército vinha a implementar há uma data de anos e que tinham sido dadas ordens para se acelerar a implementação e logicamente quero ver esclarecidos estes problemas”.

Questionado sobre o que terá levado ao roubo naqueles paióis em específico, Rovisco Duarte respondeu que ficou “surpreendido”. “Entre 20 paióis que existem naquela área de 34 hectares com perímetros de cerca de 3.000 metros, com duas vedações, eles vão escolher dois paióis que têm o material que consideramos o mais sensível , o que significa que temos de tirar algumas conclusões”.

Quando se escolhem dois paióis num lote de 20, e que por acaso não são os mais próximos do sítio de entrada onde foi feito o corte, podemos tirar conclusões que houve conhecimento do que constava nesses paióis”, afirmou o responsável, acrescentando que esse é agora um assunto para a Polícia Militar Judiciária investigar.

O chefe do Estado-Maior do Exército está certo de que o roubo terá ocorrido todo num mesmo momento e entre a noite e a madrugada de terça para quarta-feira da semana passada.

Já esta manhã o chefe do Estado-Maior do Exército tinha dito que quem roubou o material de guerra do quartel de Tancos tinha “conhecimento do conteúdo dos paióis” e admitiu a possibilidade de fuga de informação.

“Para haver algo deste género tem de haver informação interna”, assumiu, em declarações à SIC, acrescentando que, além da investigação conduzida pela Polícia Judiciária Militar e pela Polícia Judiciária, vai decorrer um inquérito no Exército para apuramento de eventuais responsabilidades.

Por sua vez, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, admitiu, este sábado de manhã, que os 44 lança-granadas, os quatro engenhos prontos a detonar, 120 granadas e 1.500 munições de 9 mm roubadas esta quarta-feira ao Exército no paiol de Tancos podem ter como destino o terrorismo.

“Demitir-me não me passa minimamente pela cabeça”

“Ninguém se sente confortável numa situação destas e ninguém lamenta mais que o Exército porque fomos atingidos no nosso orgulho e no nosso prestígio. E foi particularmente ingrato sermos atingidos desta forma quando eu pessoalmente tenho vindo a fazer muito esforço na implementação da vigilância e da segurança das unidades”, afirmou ainda o General Rovisco Duarte.

Ainda assim, o responsável militar garantiu que a demissão não lhe passa “minimamente pela cabeça”.

Quanto a um possível reforço de segurança, o general referiu que “o grau de ameaça que estava previsto não nos impunha um reforço de segurança”. “A segurança destacada era suficiente uma equipa que fazia rondas periódicas. Em determinada altura, quando foram instalados os meios de segurança, era um meio complementar.”

A segurança [em Tancos] era semelhante à que está montada em Santa Margarida, assente num sistema de rondas que o Exército considerava suficientemente dissuasor.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mcarrico@observador.pt
Assalto em Tancos

A patrulha e a banda

Helena Matos
4.344

Em Tancos confrontámo-nos com o vexame da irresponsabilidade. Mas isso só aconteceu porque há anos que andamos a fugir do peso da responsabilidade. Tancos somos nós.