Logo Observador
Assalto em Tancos

Tancos. Militares estiveram 11 dias sem jipe para as rondas

1.867

Um acidente, uma semana e meia antes do assalto aos Paióis Nacionais de Tancos, criou a oportunidade ideal para o furto de armamento de guerra. Equipas ficaram sem carro para fazer rondas.

PAULO NOVAIS/EPA

Os militares responsáveis por garantir a segurança aos Paióis Nacionais de Tancos (PNT) estiveram 11 dias sem o jipe usado para fazer as rondas aos cerca de 340 mil metros quadrados daquelas instalações. Um acidente na área dos paióis – o segundo do género – fez com que, entre 18 e 28 de junho, as rondas de carro ficassem limitadas a determinadas horas do dia, criando o cenário ideal para o furto de mais de uma centena de granadas, explosivos, lança-rockets e outro armamento de guerra.

Assim, existia uma ronda de carro à hora de almoço e outra à hora de jantar. Fora desse período, as rondas sobre quatro rodas eram a exceção. Durante quase duas semanas, até à tarde de 28 de junho, quando a intrusão nos paióis foi detetada, a vigilância aos 2,5 quilómetros do perímetro esteve limitada aos dois momentos do dia em que os militares destacados para os armazéns militares eram rendidos para as refeições, apurou o Observador junto de fonte conhecedora do processo.

Cerca de uma semana e meia antes, um acidente no interior dos PNT deixou inutilizado o jipe que as equipas de militares usavam para fazer a ronda àquele terreno. E, algum tempo antes – o Observador não conseguiu apurar ao certo em que momento –, um primeiro acidente já tinha deixado outro jipe nas mesmas condições. O Exército abriu um processo de averiguações para perceber em que condições os acidentes aconteceram, mas, quando o segundo carro deixou de poder ser utilizado, a sua substituição tardou.

Questionado sobre as circunstâncias em que ocorreram os acidentes, sobre as condições em que eram feitas as rondas e sobre a demora na substituição dos jipes acidentados, o Exército refere, como tem feito sempre sobre este tema, que “não comenta detalhes sobre um assunto que está a ser investigado pelas autoridades competentes”. Continua, no entanto, a garantir “toda a colaboração” aos responsáveis pela investigação, num processo entregue aos procuradores Vítor Magalhães e João Melo, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Ronda a pé detetou portas arrombadas

Os PNT têm 20 pavilhões, entre paióis e paiolins. Uma parte desses armazéns está vazia; outros guardam algumas peças no interior, mas os mais significativos eram mesmo aqueles que os assaltantes arrombaram algures entre a madrugada e a tarde de 28 de junho, numa ronda a pé. Esse facto — a precisão dos assaltantes nos edifícios a arrombar — levou o Chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, a assumir que, “para haver algo deste género, tem de haver informação interna”.

O portão de um dos três paiolins mais sensíveis foi o primeiro sinal de alerta. Quando os militares passaram por ali, pouco depois das 16h, aperceberam-se de que um dos portões estava escancarado. Perceberam mais tarde que tinham sido levadas algumas dezenas de “granadas de mão ofensivas e munições de calibre 9 milímetros”. Essa foi, aliás, a informação que o Exército disponibilizou no primeiro comunicado que divulgou sobre o assunto. Mas havia mais material desaparecido — material considerado muito mais sensível.

Para que pode servir o armamento roubado em Tancos? É assustador

Ao lado desse paiolim, um segundo armazém assaltado inspirava mais cuidados. A fechadura também tinha sido destruída, mas o portão estava encostado. Com receio de que o edifício pudesse estar armadilhado (arriscar detonar um explosivo naquele local teria consequências graves, uma vez que no interior ainda havia bastante material de guerra armazenado), os militares não entraram e optou-se por acionar uma equipa de inativação de explosivos do regimento de Engenharia nº1, instalado a umas centenas de metros dos paióis.

Só depois terá sido detetado o corte na zona norte da rede que delimita o terreno dos paióis, a cerca de 500 metros dos armazéns assaltados. Sem jipes, com as torres de vigia nos paióis desativadas e com o sistema de videovigilância inutilizado há vários anos, a segurança ao espaço era assegurada por rondas de jipe (na maior parte dos casos limitadas aos momentos de troca de equipas) e rondas “apeadas”. A ação de vigilância que detetou o arrombamento foi, segundo o Observador apurou junto de fontes militares, realizada a pé.

As rondas são, habitualmente, um misto dos dois modelos. Nas deslocações a pé é verificada, por exemplo, a integridade dos “selos” na porta dos paióis e paiolins. Esse “selo” é a garantia de que aqueles portões não foram abertos de forma indevida. Por outro lado, a volta de jipe permite cobrir a extensa área dos paióis de forma muito mais rápida. Nessas rondas mais alargadas pelo perímetro, os militares estão atentos a sinais como o estado da rede.

O furto a Tancos foi detetado a meio da tarde de 28 de junho. Ainda nessa noite, os inspetores da Polícia Judiciária Militar estiveram no terreno a recolher as primeiras provas e as equipas cinotécnicas da GNR bateram os terrenos à volta dos paióis de Tancos em busca de algum material furtado que pudesse ter sido deixado para trás ou de algumas pistas sobre os autores do assalto.

Tancos. Missões no Médio Oriente investigadas: havia lista das armas a roubar

No dia seguinte, numa reunião de segurança coordenada pelo Centro de Informações e Segurança Militares em que estiveram presentes elementos das secretas, da PSP, GNR, dos três ramos militares e dos serviços de informações do Exército, foram partilhadas pela Polícia Judiciária Militar as informações disponíveis naquele momento. A Polícia Judiciária e o ministro da Defesa já tinha sido avisados; o general Pina Monteiro, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, soube na quinta-feira à noite e o presidente da República, enquanto comandante supremo das Forças Armadas, soube nessa sexta-feira, no mesmo dia em que a Unidade de Coordenação de Contra-Terrorismo concluiu que o furto de mais de uma centena de peças de material de guerra não representava um risco para a segurança nacional.

Existe também uma polémica sobre o momento em que as secretas foram avisadas do assalto: no parlamento, os responsáveis dos Serviços de Informações e Segurança (SIS) e dos Serviços de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) disseram ter tido conhecimento do caso pela comunicação social. Mas o Exército diz que foram informados numa reunião de segurança do Centro de Informações e Segurança Militares (CISMIL), ainda antes de o Exército ter difundido um comunicado sobre o furto.

Tancos. Secretas souberam do assalto antes de informação ser pública

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt