Festival Eurovisão da Canção

“All Aboard!”: Divulgado logótipo e slogan da Eurovisão 2018

Faltam seis meses para o início do Festival Eurovisão da Canção. A RTP revelou esta terça-feira o logótipo e o slogan da edição de 2018, que se irá realizar em Lisboa e que terá o mar como inspiração.

O logótipo foi criado por Nicolau Tudela, diretor de arte da RTP, que se inspirou na diversidade na vida dos mares e na história de Lisboa

Divulgação

A seis meses do início do Festival Eurovisão da Canção, a RTP, a quem cabe a organização do maior concurso musical europeu em 2018, achou que estava na altura de revelar um pouco do que se irá passar a partir de 8 de maio, na cidade de Lisboa. Esta terça-feira, durante uma sessão de apresentação no Oceanário de Lisboa, foram revelados o logótipo e slogan, criados por uma equipa de criativos do próprio canal de televisão que foram procurar inspiração na diversidade na vida dos mares e na história da capital lisboeta.

Gonçalo Reis, presidente do Conselho de Administração da RTP, a quem coube as honras da casa, explicou que “a narrativa” visual, criada para divulgar a edição de 2018 da Eurovisão além fronteiras, pretende mostrar Portugal como um “país aberto, inclusivo, tolerante” e multicultural, valores que partilha com o concurso musical. Essa abertura e diversidade foi transporta para o slogan escolhido para a edição do próximo ano — “All Aboard!” — que é, não só uma referência direta ao mar, a principal inspiração dos criativos da RTP, mas também um convite dirigidos a todos, sem exceção, como explica o vídeo de apresentação:

“Durante séculos, Portugal explorou o mundo pelo mar. Hoje em dia, Lisboa é cada vez mais a cidade de todas as cores, um grande porto de culturas e sons que dá as boas vindas a que todos entrem a bordo“, afirmou Gonçalo Madaíl, diretor criativo da RTP, em comunicado. Por essa razão, Nicolau Tudela, diretor de arte da estação de televisão e responsável pela criação do logótipo, decidiu que não se podia limitar a uma única imagem gráfica e que o produto final tinha de usar uma paleta visual onde coubessem todas as cores.

Ao todo, Tudela desenhou 13 imagens gráficas. Uma concha azul em espiral, sobre um fundo amarelo que representa o sol de Lisboa, será a principal. Para as desenhar, o diretor de arte da RTP procurou inspiração no fundo dos mares e, sobretudo, no plâncton, pequenos organismos vegetais e animais que habitam os oceanos. Durante a apresentação desta terça-feira, Tudela explicou que o plânton serviu de inspiração “não só pela diversidade”, mas também pela sua “beleza e estrutura”.

O festival “mais económico” e “mais criativo” dos últimos dez anos

Gonçalo Reis, que começou por dizer que a Eurovisão é “uma espécie de Web Summit da música”, uma vez que se trata de “um grande evento internacional, que muitos países gostavam de organizar e que traz centenas de pessoas” ao país anfitrião, voltou a garantir que o festival será realizado sem os gastos excessivos que marcaram edições anteriores. De acordo com o presidente da RTP, a edição de 2018 será “sofisticada, mas com um registo de simplicidade elegância”. “De certa maneira, estamos a tentar fazer o que Salvador Sobral fez no ano passado”, referiu, explicando que a escolha por esta abordagem mais simples não se deve apenas a “uma questão de custos”, mas também porque a equipa da RTP acreditou que era a melhor. “Achamos que um registo destes terá muito impacto.”

Garantindo que o festival será “um grande evento”, Gonçalo Reis voltou a afirmar que esta será a “Eurovisão mais económica dos últimos dez anos”, mas também “a mais criativa”, permitindo mostrar “uma Lisboa contemporânea e moderna”. Jon Ola Sand, supervisor executivo da competição, que esteve presente na apresentação desta terça-feira, também se mostrou confiante quanto à qualidade da edição de 2018. “Tenho confiança de que será um grande evento”, afirmou, elogiando o trabalho que a equipa de criativos da RTP tem vindo a fazer desde o dia da vitória de Salvador Sobral.

De acordo com as estimativas, feitas com base nos números de anos anteriores, esperam-se que mais de 30 mil pessoas viagem até Lisboa por causa da Eurovisão. Só jornalistas são esperados, pelo menos, 1.500. Gonçalo Madaíl está otimista — o diretor criativo da RTP acredita que as estimativas são conservadoras e que a grande popularidade da capital portuguesa levará a que um número de visitantes seja ainda maior. Para os receber, a organização irá criar vários espaços de lazer e convívio em locais emblemáticos da cidade, sempre junto ao rio.

Dançar pela noite dentro com a Eurovisão

O Festival Eurovisão da Canção irá realizar-se nos dias 8, 10 e 12 de maio, no Parque das Nações. Nas duas primeiras datas irão decorrer as semifinais, enquanto a última será dedicada à grande final. Para aqueles que não conseguirem bilhetes para assistir às três principais datas, haverá ainda seis sessões abertas ao público: três juri shows, atuações para apreciação do júri que acontecem sempre na noite anterior ao espetáculo, e três family shows, que acontecem na tarde do evento a pensar nas famílias. Para que os fãs não percam pitada, vai ser montado no Terreiro do Paço a Eurovision Village, um espaço de lazer com écrãs gigantes onde serão transmitidas as duas semifinais e a final de 12 de maio.

Este espaço, de acesso gratuito, abre as portas ao público no dia 4 de maio e manter-se-á em funcionamento até dia 13. Além de animação de rua, haverá ainda dois palcos que irão garantir que não faltará música para todos os gostos durante a Eurovisão. A programação é da responsabilidade da RTP em parceria com a EGEAC.

Além da Eurovision Village, haverá ainda um Euroclube, de acesso mais restrito. Será uma espécie de discoteca à beira-rio por onde passarão bandas, DJs e as comitivas dos 42 países a concurso. Ao contrário da Village, no Euroclube só poderão entrar fãs e jornalistas acreditados. Haverá ainda uma festa de abertura, que acontecerá num lugar emblemático da cidade, assim como outras iniciativas que serão divulgadas atempadamente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site