Logo Observador
Banca

O teste Deutsche Bank

Autor
131

Fingir que não há nenhum problema na banca foi um pecado da Alemanha, Itália e Portugal. Por cá estamos agora melhores do que há um ano.

O principal problema do Deutsche Bank é que os investidores e clientes não percebem o seu negócio, afirmava um banqueiro ainda antes do Verão. O segredo mais mal guardado do sistema financeiro veio para o espaço público por causa da multa de 14 mil milhões de dólares que os Estados Unidos querem aplicar ao Deutsche Bank. A resolução dos problemas da banca alemã corre o risco de ser um teste à união bancária. E de se repetir a história de abrir excepções quando estão em causa grandes países do euro ou, como é o caso, grandes bancos de dimensão europeia. Politicamente é um problema.

O maior banco alemão, mais parecido com o Goldman Sachs do que com uma instituição de crédito vulgar, tem a maior parte dos seus activos em produtos que não têm preços de mercado, não são fáceis de perceber e estão longe de serem simples empréstimos. O crédito concedido é, pelo contrário, de qualidade. Ninguém consegue é saber se o resto vale alguma coisa e suspeita-se que valha pouco. À semelhança do Lehman que afinal tinha pés de barro.

Quem viu o filme Wall Street baseado no livro do jornalista Michael Lewis “Big Short” sabe bem até que ponto o Deutsche estava envolvido nos negócios bancários, altamente alavancados, que conduziram à crise financeira. Também por isso é incompreensível que a gestão do maior banco alemão, assim como o governo de Berlim e os reguladores, tenham feito tão pouco para mudar a estrutura especulativa de activos do banco, desde que rebentou a crise financeira em 2007. É com razão que o vice-chanceler alemão Sigmar Gabriel diz: “Não sei se chore ou se ria ao ver um banco que fez da especulação um modelo de negócio colocar-se agora na posição de vítima”, apontando o dedo aos especuladores para justificar os problemas criados pela gestão.

O caso do Deutsche só revela até que ponto os problemas da banca ainda estão por resolver na Zona Euro. A Alemanha, a Itália e Portugal são os três países que mais caminho têm a percorrer, embora todo o sistema financeiro tradicional tenha pela frente o enorme desafio de se reestruturar. O relatório de estabilidade financeira, divulgado esta semana pelo FMI, mostra bem a dimensão da tarefa, quando afirma que podem encerrar um terço dos balcões dos bancos, caso seja seguida uma política de racionalização dos custos, adaptada às novas tecnologias. E esta é apenas a parte que diz respeito ao choque tecnológico, a que se soma a herança de políticas irresponsáveis.

Portugal está, apesar de tudo, melhor agora do que há um ano. Há, pelo menos, um caminho traçado para os três bancos com maiores problemas, a CGD, o BCP e o Novo Banco com o quarto caso, o Montepio, a conseguir ir andando sem abalos de maior. Nada está garantido mas esta é uma das frentes dos nossos problemas em que o governo de António Costa tem conseguido somar mais pontos.

O processo de nomeação da nova administração da CGD foi bastante atribulado, atingindo o amadorismo, mas parece ter sido ultrapassado. A nova administração liderada por António Domingues tomou posse, não tem havido notícias – o que é bom – e aguarda-se a concretização do aumento de capital.

O BCP, pela mão de Nuno Amado, tem feito o seu caminho esperando-se agora que os chineses da Fosun, que controlam a seguradora Fidelidade, garantam o capital que o banco precisa. E será também da China que se espera que venha a solução para a venda do Novo Banco.

Entretanto também parece encaminhada a solução para um dos maiores riscos que os bancos enfrentavam: o empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução para a intervenção no BES. Os bancos vão ter mais tempo para pagarem esse financiamento do Estado.

Se a capitalização da CGD correr bem e a sua reestruturação também e se da China não chegar nenhuma tempestade, a banca portuguesa começa a fazer o seu caminho para sair do buraco em que está. O tema do veículo para o crédito malparado vai e vem, poderá regressar à ribalta este mês, mas a ausência de recursos financeiros públicos condiciona bastante essa solução.

Foi exactamente a falta de margem financeira do sector público que justifica, em parte, o arrastamento do problema da banca portuguesa. Portugal já tinha, na altura da crise, uma dívida demasiado elevada e não conseguia, mesmo que os banqueiros deixassem ou o Governo e a troika impusessem, salvar os bancos de si próprios – ou antes, salvar os depositantes com dinheiro dos contribuintes.

Do que se conhece do que se passa na Alemanha e em Itália, dir-se-ia que Portugal está entre os dois. Para já, por aqui tem-se conseguido fazer tudo respeitando as regras europeias e especialmente o colete de forças que foi criado com as normas de resolução bancária. A Itália tem tentado, sem sucesso, abrir excepções às regras da união bancaria para salvar os seus bancos. Poderá acabar por ser “salva” pela Alemanha caso o Deutsche não encontre uma solução privada.

Manuel Sebastião, ex-administrador do Banco de Portugal e ex-presidente da Autoridade da Concorrência, numa conferência antes do Verão dizia: “a União Bancária terá ainda de passar um grande teste. Isso acontecerá quando um banco grande de um país grande tiver de ser sujeito a uma medida de resolução (…)”.

Se o Deutsche Bank não conseguir resolver os problemas pelos seus próprios meios, a intervenção do Estado alemão será inevitável. É aí que teremos o grande teste às regras de resolução já aplicadas em Portugal duas vezes, uma no BES outra no Banif. Do ponto de vista económico-financeiro é óbvio que o Deutsche é grande demais para se “resolver”, mas na arquitectura do euro, uma construção feita de nações, a excepção será incompreendida. A história vai repetir-se? Quando a Alemanha violou o Pacto de Estabilidade, as regras foram mudadas depois de terem sido aplicadas a Portugal. O que foi um erro, já que alimentou a indisciplina financeira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autárquicas 2017

O (mau) trabalho das autarquias

Helena Garrido
1.286

O poder autárquico teve excelente papel nos primeiros anos da democracia. Hoje precisa de uma revolução. As eleições revelam de novo um escandaloso desperdício de dinheiro com prioridades irracionais.

Economia

Atenção ao regresso da dívida

Helena Garrido
3.795

O endividamento está de volta. É preciso lembrar erros cometidos na primeira década do século XXI, pois a festa está boa. A dívida não desaparece. É com ela que os países caem nas mãos dos credores.