Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É Dia Mundial da Criança, mas há muitos adolescentes e adultos no Parque da Bela Vista, este domingo. O motivo principal chama-se Justin Timberlake, o homem que teve a coragem de abandonar uma das maiores boy band do mundo para ser adulto numa carreira a solo.

Parece impossível que Justin Timberlake, cantor, compositor, ator e empresário de sucesso, conte apenas 33 primaveras. Há quase 20 que ouvimos falar dos ‘N Sync, boy band que ele ajudou a fundar quando ainda era um adolescente de 14 anos, e que se tornou num dos maiores sucessos da história da música. Subitamente, em 2002, Justin decidiu deixar tudo para trás.

“Foi uma das melhores e piores coisas que alguma vez fiz”, contou o músico este mês, numa masterclass de Oprah Winfrey. A pressão à sua volta também não estava a ser fácil. “O que é que estás a fazer? Vocês são o maior grupo do mundo, porque é que te haverias de afastar disso?”, recordou.

Mas a decisão arriscada confirmou-se acertada. “Justified”, primeiro álbum a solo que o norte-americano lançou em 2002, ganhou logo dois Grammy, Melhor Álbum Pop e Melhor Performance Masculina por “Cry Me a River”. Com 21 anos, Justin Timberlake tinha acabado de entrar na maioridade, não só no bilhete de identidade, mas também na sua carreira. A partir daí foi sempre a subir.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O que esperar do concerto

As estrelas pop são muitas vezes alvo de preconceito por quem não gosta do género, mas o nome “Justin Timberlake” é dos poucos que reúne algum consenso. Crianças, adolescentes, adultos, melómanos de várias áreas – até do rock -, há de tudo na massa de gente que ocupa o Parque da Bela Vista.

A maioria está aqui para ver a digressão “The 20/20 Experience”, que se baseia nos dois álbuns editados em março e em setembro e 2013. Dois álbuns de uma assentada, talvez para compensar os sete anos de intervalo que Timberlake aplicou à sua carreira musical, e durante os quais se dedicou ao cinema, de onde se destaca o filme “A Rede Social”.

Há, portanto, músicas novas para ouvir, como “Suit & Tie”, gravado com o rapper Jay-Z, e “Mirrors”. Mas não vão faltar os sucessos de sempre, como “Rock Your Body”, “SexyBack”, “My love” e “What Goes Around… Comes Around”. A audição não é o único sentido que deve estar apurado. A componente visual do espetáculo é fundamental, sobretudo pelos movimentos feitos por Timberlake.  “The 20/20 Experience”, aliás, deve o nome aos números obtidos na oftalmologia por quem tem uma visão muito boa, porque Justin quer que os fãs possam ver a sua música, não apenas ouvi-la, usando a criatividade e a imaginação.

Justin Timberlake atua às 23h45 no Palco Mundo. Os concertos no palco Mundo arrancam às 17h30 com a adolescente portuguesa Kika e o Observador vai estar a acompanhar o último dia do festival no site e também no Twitter, com a hashtag #ObsRiR.