Frei Bento Domingues, o catedrático José Mattoso e o musicólogo Rui Vieira Nery são algumas das mais de 30 pessoas que manifestaram “indignação” pela atribuição do prémio “Fé e Liberdade” a Alexandre Soares dos Santos, ex-presidente do grupo Jerónimo Martins.

Em documento enviado à reitoria da Universidade Católica Portuguesa (UCP), os subscritores referem que foi com “grande perplexidade, tristeza e indignação” que tiveram conhecimento de que o Instituto de Estudos Políticos da UCP deliberou atribuir o prémio “Fé e Liberdade” a Alexandre Soares dos Santos, designado “um dos homens mais ricos de Portugal”.

Enfatizam que esta denúncia não é movida por “qualquer ressentimento contra a pessoa” em causa, mas pelo “dever” de, em consciência, tornar audível a voz dos cristãos que “não querem – não podem – silenciar” a sua indignação.

“Um prémio tem um valor simbólico e testemunhal, pelo que, nas presentes circunstâncias, ocorre perguntar: O que é que se pretende enaltecer? Que valores merecem apreço explícito por parte da UCP? Quais os conceitos de fé e de liberdade que estão implícitos nesta atribuição?”, questionam os subscritores, entre os quais constam os jornalistas Jorge Wemans e António Marujo e os professores universitários José Manuel Pureza e Isabel Allegro de Magalhães.

A carta de protesto lança ainda uma série de dúvidas sobre o que se pretende distinguir na personalidade de Alexandre Soares dos Santos.

“Uma colossal fortuna pessoal? Uma forma de enriquecimento baseada nos ganhos do capital e sua acumulação? Práticas de exploração do trabalho humano (baixos salários, horários excessivos, precariedade nas relações laborais)? Expedientes fiscais para fugir aos impostos?Um modelo de economia que permite o desemprego massivo, a grande concentração do património individual e correspondente poder político, com risco para a democracia e para a coesão social?”, lê-se no documento a que a agência Lusa teve acesso.

Notando que a decisão vai também contra aquilo que tem sido o ensinamento e os apelos mais recentes do papa Francisco, os subscritores gostariam de ver a UCP empenhada na denúncia de “uma economia que mata”, em especial pelo que produz “de grande pobreza, desemprego maçiço, excessivas e crescentes desigualdades, riscos ecológicos sérios”, naquilo que é uma das maiores ameaças à liberdade e à democracia.

A Lusa tentou obter um comentário junto da reitoria da UCP, mas até ao momento não foi possível obter um esclarecimento por parte da reitora Maria da Glória Garcia.

O Instituto de Estudos Políticos (IEP), da UCP, atribuiu o Prémio Fé e Liberdade a Alexandre Soares dos Santos, devendo a distinção ser entregue a 24 de junho, durante o Fórum Político do Estoril, que reúne dezenas de oradores nacionais e estrangeiros.

Este prémio foi criado em 2012. Nesse ano, os distinguidos foram Maria de Jesus Barroso, D. Jaime Gonçalves, arcebispo emérito da Beira, e Monsenhor João Evangelista, da Associação Cristã de Empresários e Gestores. Em 2013, a distinção coube a Mário Pinto, ex-ministro da República para os Açores e antigo deputado do PSD na Assembleia Constituinte.