1 – Passar um fim-de-semana numa terra portuguesa

Portugal pode ser um país pequeno, mas não lhe falta diversidade. Seja para o azul das ilhas, o verde do norte, o branco do centro ou o amarelo do sul, agarre no mapa e escolha um local a explorar. Por exemplo, Castelo de Vide, em Portalegre, é imperdível na primeira semana de setembro, altura em que a vila recebe o Mercado Medieval. Tascas, teatro, saltimbancos, música, e muita animação são a desculpa ideal para passar o fim-de-semana numa das zonas mais bonitas e recatadas do país. Lá poderá também visitar, por exemplo, o Castelo e um museu dedicado à herança judaica da cidade. Ali bem perto está a cidade romana de Ammaia e o Castelo medieval de Marvão. A cerca de 100km encontra-se a Barragem de Castelo de Bode. Os acessos podem não ser os mais fáceis, mas o sossego, a paisagem e a água quase morna justificam largamente a viagem.

2 – Fazer um piquenique

Quando foi a última vez que foi a um piquenique e não se divertiu? Estamos na estação ideal para estender a toalha aos quadrados no parque mais próximo e petiscar até ao final da tarde. Ou até para fazer de um piquenique a desculpa ideal para fazer uma pequena viagem dentro de fronteiras. O parque de merendas da vila de Góis, distrito de Coimbra, é um excelente local para uma tarde bem passada. Para além de ficar junto ao rio Ceira e convidar a banhos, o parque tem bancos, mesas e assadores que podem ser usados gratuitamente. Só tem de comprar o carvão.

3 – Ir a um museu

Aquilo que fazemos normalmente quando viajamos para outro país mas que, em Portugal, raramente passa pela cabeça de muitos. Que tal aproveitar o verão para (re)descobrir um museu nacional? O Museu de Arte Antiga, em Lisboa,  por exemplo, trouxe a arte italiana até Portugal. A exposição “Os Saboias. Reis e Mecenas (Turim, 1730-1750)” mostra, até 28 de setembro, uma centena de peças de artistas do século XVIII, entre pintura, escultura, mobiliário, gravura e livros ilustrados, e espelha o investimento que a casa real realizou na época da sua ascensão ao poder, transformando Turim numa cidade símbolo dessa promoção.

Em Aveiro está a exposição mais falada do momento – ainda que não seja pelas melhores razões. No inicio de junho, a Fundação Dionísio Pinto, em Águeda, anunciou a descoberta da “maior coleção do mundo de gravuras de Rembrandt”. Várias vozes têm contestado a autenticidade das gravuras, afirmando que as 282 gravuras não são feitas à mão e que se trata de “reproduções do lote original de águas-fortes de Rembrandt feitas em Franca no séc.XIX”. Enquanto o governo não termina a sua avaliação às obras, é possível ver, até 23 de julho, 14 gravuras na exposição promovida pela Fundação.

4 – Passar um dia num parque aquático

Os pequenos amam, os jovens adoram e os adultos também se divertem. Num parque aquático há diversões para todos, dos mais radicais aos menos aventureiros (que podem sempre ficar pela piscina e, em alguns casos, no jacuzzi). Desde o nortenho Parque Aquático de Amarante ao algarvio Slide & Splash, as ofertas são muitas e garantem um dia diferente para amigos e família.

5 – Ir a um bailarico de verão

O querido mês de agosto é o mês das festarolas por excelência, mas de maio a setembro não é difícil encontrar um bailarico nas redondezas. Não sabemos bem o que nos atrai para uma festa onde a música é dominada por nomes como José Malhoa ou Diapasão, e onde todos os anos se dançam clássicos como “Mas quem será o pai da criança”, “Apita o comboio” e “Baile de verão”, mas o ambiente popular e despreocupado, juntamente com os comes e bebes típicos da terra, têm um qualquer efeito sobre pessoas de todas as idades e tribos musicais. Tem dúvidas? Então nada melhor do que ir até um bailarico este ano.

6 – Fazer um passeio de bicicleta

E nem precisa de ir comprar uma a correr. Com o aumento das ciclovias em algumas cidades, cada vez é mais fácil alugar uma bicicleta ou, simplesmente, pedir uma emprestada sem pagar nada por isso. Em Cascais, por exemplo, a Câmara Municipal disponibiliza as famosas “Bicas” para quem quiser fazer o passeio desde a Marina de Cascais até à Estrada do Guincho. Dizem que saber andar de bicicleta nunca se esquece. O que esquecemos muitas vezes é de recorrer a este meio de transporte amigo da saúde, do ambiente e de um passeio original.

7 – Comer melhor

Com o calor nem sempre temos tanto apetite para comidas pesadas. Óptima oportunidade para melhorar a alimentação. Coma mais peixe grelhado, seja criativo nas saladas, opte por mais fruta. A boa melancia já anda por aí, o melão sabe melhor e os morangos ajudam a refrescar. Beba muita água para se hidratar (com umas gotinhas de limão, então, melhor ainda). Vai sentir-se mais fresco – e mais leve. Mais dicas para uma alimentação summer friendly aqui.

8- Sair à noite

Nas noites de maior calor parece haver uma atmosfera diferente no ar. As pessoas andam mais bem dispostas e é possível ver grupos na rua a fazer caminhadas ou, simplesmente, a conversar à porta de casa. Por isso, este verão saia à noite, quer seja para dançar, para beber ou para andar a pé. O que interessa é pôr o pé fora de casa.

9 – Ler um livro

Desligue a TV, esqueça a internet. Leia um livro! Durante o tempo frio passamos mais tempo em casa e as tentações estão em todo o lado, pelo que nem sempre sobra tempo para ler ou até redescobrir o prazer da leitura. Aproveite a próxima ida à praia ou à esplanada para desligar do mundo e ler um bom livro.

As últimas semanas têm sido ricas em publicações de qualidade. José Eduardo Agualusa acaba de lançar o romance A Rainha Ginga (Quetzal Editores). Pela Bertrand acaba de ser publicado o livro O Gatilho, onde o jornalista britânico Tim Butcher recorda o assassino do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro, cujo gatilho provocou o início da Primeira Guerra Mundial. Se se sente atraído pelo tema da Maçonaria, Pedro Ramos Brandão e António Chaves Fidalgo publicaram, pela Leya, A Maçonaria e a participação de Portugal na I Guerra Mundial.