Barack Obama serviu bolas de gelado, trabalhou como pintor e como empregado de mesas em centros de apoio a idosos. Michelle Obama encadernou livros. Muito antes de ocuparem a Casa Branca e ainda antes de concluírem o curso de Direito, o presidente e a primeira dama dos Estados Unidos da América tiveram de trabalhar em empregos onde recebiam o salário mínimo. Acham que essa experiência ajudou a moldar-lhes o caráter e querem o mesmo para as filhas, disseram esta sexta-feira numa entrevista à revista Parade.

“Estamos a procurar oportunidades para que elas sintam que ir para o trabalho e receber um ordenado nem sempre é divertido, nem sempre é estimulante e nem sempre é justo”, disse Obama.

“A maior parte das pessoas passa por isto todos os dias”, acrescentou. Atualmente, o salário mínimo nos Estados Unidos corresponde a cerca de sete dólares por hora, mas desde o início deste ano o presidente Obama tem tentado que o Congresso aprove um aumento deste valor para 10 dólares por hora. Os republicanos opõem-se a esta ideia, argumentando que vai reduzir o número de empregos e ajudar poucos trabalhadores.

A primeira dama Michelle Obama defende que todas as crianças “precisam de saber o que é fazer trabalho duro”. Durante um ano, o casal viveu no segundo andar da casa da mãe de Michelle, Marian Robinson, e conduziu um carro que custou 1.000 dólares. Depois de se licenciarem em Direito, tinham de combinar o stress do trabalho com a educação de duas crianças, mais a necessidade de pagar gigantescos empréstimos que contraíram para poder financiar os estudos. Estas declarações surgem na mesma semana que Malia Obama foi vista a trabalhar como assistente de produção por um dia, no set de um programa de televisão da CBS.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Barack e Michelle Obama deram esta entrevista para promover uma cimeira da Casa Branca que quer discutir políticas que ajudem as famílias trabalhadoras. O presidente Obama tem tentado mobilizar o Congresso em torno de temas como a igualdade salarial entre homens e mulheres, o alargamento da educação e o aumento do salário mínimo.

Para conseguir concretizar todas estas propostas, é necessário que os Democratas mantenham o controlo no Senado depois das eleições de novembro, onde os republicanos podem conseguir uma maioria. “Se conseguirmos dar destaque a estes assuntos e defendê-los ao longo do próximo ano, ainda será possível vermos ações ousadas no Congresso”, disse Obama. Quando questionado sobre se estas propostas estão de alguma forma relacionadas com o futuro das suas filhas, Obama admitiu: “Sem dúvida. Todas as raparigas que vou conhecendo me fazem pensar na Malia e na Sasha e de como seria se elas fossem tratadas de forma diferente, se ficassem encurraladas, se não ganhassem o suficiente ou se tivessem de aceitar um mau emprego e ainda tomar conta de um pai envelhecido. Ou como seria se elas fossem mães solteiras como a minha mãe e tivessem de trabalhar, estudar e ainda precisassem de cozinhar quando chegassem a casa”. Desde 2008 que o casal tenta que as suas filhas – Malia, 16 anos e Sasha, 13 anos – fiquem longe da curiosidade do público enquanto dura o mandato de Obama.