Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Esta quinta-feira o primeiro-ministro espanhol esteve presente na cimeira da União Africana em Malabo, na Guiné Equatorial. Mas para poder estar neste evento, Mariano Rajoy faltou a outro: um jantar em Bruxelas, entre aos líderes europeus, onde foi discutida a agenda estratégica da União Europeia para os próximos anos. Ora, não tendo chegado a tempo de Malabo, Rajoy delegou a sua representação ao primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho.

O gabinete do primeiro-ministro argumenta que a cimeira africana era estratégica para os interesses espanhóis, enquanto o jantar em Bruxelas se tratava de um evento informal. Para o governo espanhol, a ausência do primeiro-ministro não é significativa — ainda que tenha sido a primeira vez que Rajoy se ausenta deste tipo de eventos — já que a agenda para sexta é a que realmente importa: serão assinados acordos de associação com a Geórgia e a República da Macedónia e será finalizado o acordo de associação com a Ucrânia.

O El Mundo refere que o que mais interessa a Espanha é a eleição para presidente do Eurogrupo, cargo para o qual o atual ministro da economia espanhol, Luis de Guindos, já mostrou estar disponível. E essa decisão só será tomada no final de julho. Desta vez, a agenda focar-se-á na eleição para o cargo de presidente da Comissão Europeia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR