Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A honra era para Helena Costa. Seria ela a primeira mulher a treinar uma equipa masculina de futebol profissional. Quarenta e nove dias foi o tempo que a técnica portuguesa, de 39 anos, durou como responsável pela equipa do Clermont Foot 68 — o clube anunciou a saída de Helena Costa 24 horas antes de orientar o primeiro treino. Decisão da própria. “Espero que isto não prejudique as mulheres no desporto”, garantia, na terça-feira. Pelos vistos, correu tudo bem. O clube anunciou este sábado que será outra mulher a suceder-lhe no cargo.

É Corinne Diacre. Portanto, a aposta mantém-se e será para durar. A francesa, de 39 anos, assinou um contrato para as próximas duas temporadas, de acordo com um comunicado publicado pelo clube no seu site oficial. Isto após Claude Michy, presidente do clube, ter dito, após Helena Costa lhe comunicar a saída do Clermont, que “não [era] a primeira que um homem [era] enganado por uma mulher”.

Diacre, uma antiga internacional gaulesa — contabilizou 121 jogos pela seleção, entre 1993 e 2003 –, desempenhou durante sete anos o cargo de treinadora-adjunta da equipa nacional de França. Depois, em 2010, assumiu o comando da equipa feminina do Sochaux, com a qual ainda estava. “Estabeleci uma meta comigo próprio, por isso tinha de a cumprir”, disse Michy ao diário La Montagne, ao justificar a escolha de outra mulher para dirigir a equipa do Clermont Foot.

A partir de 1 de agosto, o clube vai competir na segunda divisão do futebol gaulês. “Estou muito feliz por assumir este cargo. Muito mesmo. Tinha feito deste objetivo um burro de carga [treinar uma equipa de futebol masculina]. É um bom primeiro passo”, defendeu Corinne Diacre, à rádio Europe 1.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR