Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Conselho de Educação da cidade japonesa de Kasuga abriu uma guerra difícil: aconselhou os alunos entre os 13 e os 15 anos a não utilizarem os seus smartphones depois das 22h00. Em conjunto com as associações de pais e as escolas locais, para as quais foram enviados posters e panfletos, os membros do Conselho estão a tentar encorajar os estudantes a entregarem os telefones aos pais entre as 22h00 e as 6h00. Ainda não foram definidas sanções para quem não entregar o telefone. Muito menos dados fiáveis sobre se a recomendação está a ser seguida.

A recomendação não surgiu por causa de um incidente em específico, explica o Wall Street Journal, mas sim para prevenir episódios de cyberbullying, fugas de informação e acesso a sites com conteúdos dirigidos a público mais adulto – um fenómeno que cada vez mais preocupa as autoridades naquele país. Segundo o site do governo japonês, a proteção dos utilizadores mais jovens torna-se cada vez mais difícil devido ao permanente e facilitado acesso à Internet.

Em 2013, um inquérito levado a cabo em novembro e dezembro pelo Governo nipónico revelou que 52% dos alunos entre os 13 e os 15 anos tinham um smartphone, e que o modelo preferido era o iPhone. Em 2010, o mesmo inquérito tinha revelado que apenas 2,6% dos alunos da mesma faixa etária tinham um smartphone.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR