Modelo de Avaliação

Tribunal de Coimbra diz que exame é segunda oportunidade, o que é “positivo”, e rejeita providência cautelar

Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra diz que prova marcada para amanhã é segunda oportunidade, o que é "positivo". Providência cautelar interposta por Sindicato de Professores da Região Centro.

CHRISTOPHE VERHAEGEN/AFP/Getty Images

Autor
  • Hugo Tavares da Silva

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Coimbra rejeitou o pedido de suspensão da Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (PACC) requerido pelo Sindicato dos Professores da Região Centro. O TAF alega que esta é como uma segunda oportunidade para os professores que faltaram à chamada em dezembro, pelo que, por si só, é visto como algo “positivo” pelo órgão judicial e “absolutamente insusceptível de lesar qualquer direito, liberdade ou garantia constitucionalmente protegidos”. Dois pedidos entrados no tribunal de Lisboa e outro em Beja também foram recusados, segundo comunicado do Governo. A polémica entre sindicatos e o Ministério da Educação estalou quando este último marcou a avaliação na quinta-feira para apenas cinco dias depois.

Diferentemente de quanto defende o Requerente, os candidatos visados pelo ato de suspensão de eficácia impetra dispuseram já de um período para preparação superior àqueles que se submeteram à primeira prova realizada, beneficiando ainda do conhecimento da respetiva arquitetura”, pode ler-se no despacho do TAF a que o Observador teve acesso.

O TAF justifica que não se verifica nenhuma situação de especial urgência ou a possibilidade de lesão irreversível de direitos, liberdades ou garantidas, previstos no n.º3 do artigo 131.º do Código de Processo dos Tribunais Administrativos. O tribunal constata ainda que não se verifica uma ilegalidade no agendamento da prova, assim como nem na hipotética superioridade dos interesses defendidos pelo Sindicato face ao público.

O despacho prevê ainda que os interessados terão o direito de reagir “lançando mão dos meios impugnatórios e cautelares disponíveis”, cabendo assim a cada um decidir “se deve ou não submeter-se à avaliação em causa, atuando depois, extrajudicial e/ou judicialmente, da forma que entender mais adequada”.

Mais: o tribunal refere ainda que os candidatos que vão prestar as provas amanhã estão em vantagem relativamente àqueles que a fizeram em dezembro. “Diferentemente de quanto defende o Requerente, os candidatos visados pelo acto cuja suspensão de eficácia impetra dispuseram já de um período para preparação superior àqueles que se submeteram à primeira prova realizada, beneficiando ainda do conhecimento da respectiva arquitectura.”

A Direção Geral de Estabelecimentos Escolares enviou hoje às escolas onde se realizará a PACC uma orientação sobre o funcionamento e acesso às mesmas no dia 22 de julho. A realização da prova é, segundo o documento entregue aos diretores, “um serviço de natureza urgente e essencial”.

“Assim, no estrito cumprimento da lei, devem ser desenvolvidas todas as diligências necessárias e adequadas a garantir que no dia 22 de julho se encontram ao serviço todas as pessoas que assegurem o normal funcionamento desse serviço de natureza urgente e essencial”, pode ler-se na nota do gabinete do Ministério da Educação. Entre a abertura dos estabelecimentos escolares e as 14h, o acesso está restrito às pessoas envolvidas no processo, com o fim de salvaguardar “o interesse público” e o “direito dos candidatos” à realização da prova.

O Ministério da Educação e da Ciência emitiu um comunicado esta segunda-feira a confirmar a realização da prova, lembrando os pedidos de providências cautelares interpostos e negados pelos tribunais:

– um no Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra, interposto pelo Sindicato de Professores da Região Centro

– dois no Tribunal Central Administrativo de Lisboa, interpostas pelo Sindicatos dos Professores da Grande Lisboa e pela Associação Sindical de Professores Licenciados

– um no Tribunal Administrativo e Fiscal  de Beja, interposta pelo Sindicato dos Professores da Zona Sul.

 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
passeio aleatório

Duas surpresas do PISA /premium

Nuno Crato
184

Schmidt mostrou-nos números, dados e resultados e as suas conclusões são simplesmente o contrário do que tem frequentemente surgido em debates que não são baseados em factos, mas apenas em ideologia. 

caderno de apontamentos

Combater a escravatura da nota

Jorge Ascenção
1.593

As Escolas e as famílias não podem continuar condicionadas pela necessidade de obter uma nota. O secundário, podendo ser uma referência para o acesso ao ensino superior, deve ser independente do mesmo

caderno de apontamentos

…E pur si muove!

João Marôco
221

Para a OCDE, Portugal é a maior história de sucesso da Europa no PISA. Ainda assim, por cá, nem sempre se valoriza esta evolução que se diz ser inconsistente com os resultados das avaliações externas.

Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
135

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)