Universidade de Lisboa

Exposição 723+1 mostra a Universidade de Lisboa em números

Entra-se no átrio da reitoria e vêm-se as pessoas, porque a universidade é feita de pessoas. Mas nas costas encontram-se os números que fazem da universidade aquilo que ela é. [Com galeria de imagens]

Para assinalar o primeiro aniversário da nova Universidade de Lisboa o átrio da reitoria encheu-se de pessoas e números que contam como se passaram os primeiros doze meses desta nova fase do ensino superior lisboeta, que começou em 1290 com os Estudos Gerais de Lisboa – daí o nome da exposição 723+1 [anos]. Estará na reitoria até 16 de outubro e depois vai estar exposta em cada uma das 18 escolas (faculdades e institutos) da universidade.

exposição, universidade de lisboa,

@ Hugo Amaral

À entrada somos recebidos por pessoas, silhuetas que enchem o átrio. “Porque a universidade é feita de pessoas”, explica ao Observador Ana Simões, pró-reitora da universidade. São pessoas que fazem parte da universidade e que representam cada uma das escolas espalhadas por oito campi (núcleos) em três concelhos diferentes. São 220 hectares, dos quais 130 são espaços verdes – Jardim Botânico de Lisboa, Jardim Botânico da Ajuda e Tapada da Ajuda. Só a cidade de Lisboa tem 2,2% do espaço ocupado por esta universidade e o número de pessoas ligadas à universidade – 55 mil, das quais 48 mil são alunos – equivale a 9% da população da capital.

Contornando as silhuetas brancas descobrem-se os números e as informações. E os vitrais e murais do átrio agora mais expostos. Mesmo podendo ser percorrida livremente pelo visitante a exposição tem núcleos chave, como a formação, a investigação ou o espaço – 13 edifícios e sítios de valor histórico e cultural, como o Laboratório Marítimo da Guia ou o Convento de S. Francisco da Cidade (Faculdade de Belas Arte).

O objetivo era dar a conhecer a Universidade de Lisboa de uma forma original, tal como o fez o projeto de Diogo Antas da Cunha “UniverCidade 2.0 – Parkour & FreeRunning”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Sindicatos de Professores

Mário, Maduro Mário /premium

Luís Reis
116

Pobre país este, o de Mários Nogueiras perpétuos, perpétuos incendiários e manipuladores, omnipresentes e omniscientes, que, sem qualquer contraditório ou censura, arriscam propostas irresponsáveis.

História

In memoriam de Franco Nogueira /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

“Um homem livre, recto e determinado que lutou, com paixão, pelas suas convicções e pelas suas ideias, (…) para recuperar o espírito que fez a grandeza de Portugal”.

Justiça

Extinguir o Tribunal Central de Instrução Criminal

João Miguel Barros

Escrever que a extinção do TCIC dá um sinal errado à opinião pública porque este foi o “tribunal que mandou prender Sócrates” é não compreender a essência do que é um Tribunal de Instrução Criminal.

Lisboa

Portagens e transporte público

Luís Campos e Cunha

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam os equipamentos da cidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)