Estudar no estrangeiro com uma bolsa do Erasmus reduz para metade a probabilidade dos jovens ficarem desempregados durante um longo período de tempo e é uma experiência enriquecedora a muitos níveis, conclui um estudo sobre o programa.

Esta é uma das conclusões de um estudo de impacto sobre o programa europeu Erasmus para a mobilidade de estudantes e docentes, realizado a partir de entrevistas a cerca de 57.000 jovens, que a Comissão Europeia prevê publicar no final de setembro, informaram fontes comunitárias citadas pela Efe.

O estudo “demonstra que os estudantes Erasmus se saem melhor no mercado laboral” e que “têm a metade das probabilidades de ser desempregados de longa duração em comparação com os estudantes que não vão para o estrangeiro”, indicaram as fontes.

As mesmas fontes também asseguram que os jovens que gozam este tipo de bolsa “regressam aos países de origem não só mais seguros e mais tolerantes em relação a outras culturas, como também mais curiosos, com mais possibilidades de resolver problemas, com melhores habilitações organizativas e maior facilidade para em adaptar-se de forma rápida a novas situações”.

O estudo é o primeiro que analisa com tanto pormenor as repercussões de sair para o estrangeiro com uma bolsa de Erasmus, tendo incluído um maior número de entrevistados, e baseia os resultados numa avaliação dos próprios participantes, que analisam o seu comportamento, atitude e habilidades, antes e depois da experiência.

Assim, este estudo “fornece resultados mais fiáveis que outros anteriores”, referem as fontes.

Os últimos dados do programa Erasmus, referentes ao curso 2012/2013, demonstram que a iniciativa não perdeu interesse com os anos, mas que permitiu precisamente o contrário, já que o número de participantes superou os 268 mil, mais 6% que no curso anterior e um novo máximo histórico.

No ano 2012/2013, Espanha voltou a ser o país da União Europeia (UE) que mais estudantes enviou para o estrangeiro no âmbito do programa Erasmus.

Em setembro estreia-se o novo programa Erasmus que durará até 2020 e oferecerá a mais de quatro milhões de europeus oportunidades para estudar, formar-se, fazer estágios laborais e realizar atividades de voluntariado no estrangeiro.

Em termos orçamentais, O programa Erasmus contará com 14.700 milhões de euros, mais 40% que o atual programa.

Segundo fontes comunitárias, o impacto do novo orçamento será sentido a partir de 2016, enquanto nos anos anteriores será similar ao existente na atualidade.