Ébola

Encontrada a cura para o Ébola?

19.346

A comunidade científica está espantada com os resultados de um tratamento aplicado em dois doentes com Ébola e dois especialistas ajudam a entender o que se passa. E uma vacina pode estar a caminho.

RODGER BOSCH

Dois missionários norte-americanos terão sido salvos de uma infeção grave pelo vírus Ébola com um “tratamento miraculoso”. Esta “arma secreta” nunca tinha sido aplicada em seres humanos, mas a FDA terá aberto uma exceção ao abrigo de uma norma que autoriza a utilização de medicamentos não testados.

A CNN relata a história da seguinte forma: Kent Brantly e Nancy Writebol prestavam auxílio aos doentes infetados, quando há duas semanas se sentiram doentes. Foi confirmada em ambos a infeção pelo Ébola e o seu estado de saúde piorou muito depressa, tendo estado em risco a vida. Consciente da emergência da situação, a empresa Mapp Biopharmaceutical disponibilizou um novo medicamento chamado ZMapp, que nunca tinha sido testado em seres humanos mas cujos resultados obtidos em macacos foram promissores (dos oito animais testados, seis sobreviveram à infeção).

Este “elixir miraculoso” explica-se da seguinte forma: o sistema imunitário de cobaias expostas a um vírus desenvolve anticorpos específicos contra ele. Os glóbulos brancos que os produzem (linfócitos) são isolados em laboratório e multiplicados por processos de cultura celular. Neste caso, foram separadas três linhas celulares (clones ou “famílias” de células) que produziram anticorpos específicos muito eficazes contra o Ébola. Estes anticorpos, reunidos numa solução, serão a base deste “super medicamento”. A novidade anunciada pela Mapp Biopharmaceutical Inc. é a capacidade de produzir estes anticorpos em plantas de tabaco, o que acelera substancialmente o processo de produção (as culturas celulares são “lentas”, por comparação).

Outro aspeto notável na notícia foi a urgência da aplicação (porque não foi sujeito aos testes de segurança obrigatórios) e a recuperação “miraculosa” dos missionários. As doses deste medicamento (ZMapp) foram enviadas para a Libéria, na esperança de restaurar as condições mínimas de saúde dos missionários para permitir o seu transporte para os Estados Unidos da América. O extraordinário foi que, em particular no caso de Kent Brantly, a recuperação surpreendeu todos. O médico esteve em risco de vida, mas no dia seguinte à administração do ZMapp conseguiu andar pelo próprio pé e até tomar banho. A recuperação de Nancy Writebol não foi tão espetacular, mas foi a suficiente para permitir o seu transporte para os EUA. Os riscos existem e, como é a primeira vez que se utiliza esta solução em humanos, ainda há muito que pode correr mal. Mas os primeiros resultados são muito animadores.

Jorge Atouguia, médico especializado em doenças tropicais, é perentório em afirmar que não estamos a falar de uma “cura” em sentido absoluto, mas sim de um tratamento “interessante e promissor”. Explicou-nos que o que aconteceu foi um processo de imunização, um princípio terapêutico usado no tratamento, por exemplo, da Raiva. Quando uma pessoa não vacinada é mordida por um animal infetado, é-lhe administrada imunoglobulina (anticorpo) específica contra o vírus com o objetivo de diminuir rapidamente a quantidade em circulação e deste modo “dar tempo” ao organismo para desenvolver a sua própria resposta imunitária. Essa sim, deverá será capaz de eliminar a doença.

“Apenas uma vacina será capaz de curar a doença” e por isso o caso do Ébola foi um tratamento feliz e “uma notícia positiva”, mas ainda é cedo para falar num processo cientificamente sustentado de cura. Além disso, para Jorge Atouguia “a vacina contra o Ébola não é uma prioridade para o sistema de saúde global” — porque é uma doença ainda muito circunscrita e porque não representa um problema real para os países do hemisfério norte.

O Observador falou também com Paulo Paixão, presidente da Sociedade Portuguesa de Virologia, que disse concordar que este tratamento é promissor mas que “ainda é cedo para falar em cura”; estes anticorpos (ZMapp) são “um tratamento e uma pista interessantes”, mas é precisa muito mais investigação. “Dois casos [os dois missionários] são muito pouco para uma análise científica concreta” e que “os cientistas estarão atentos mas muito cautelosos”, porque a informação é escassa e “já não é a primeira vez que acontece”. Paulo Paixão e Jorge Atouguia fizeram referência ao caso da epidemia do vírus do Marburgo em Angola (a última ocorreu em 2005), onde as notícias de tratamentos e possíveis curas circularam depressa mas acabaram por se revelar infundadas. Paulo Paixão também duvida do interesse da indústria farmacêutica no desenvolvimento de uma vacina contra o Ébola, porque apesar da taxa de mortalidade ser muito alta “os números globais de mortes são baixos quando comparados com outras doenças” (como a Malária, por exemplo).

Entretanto, o imunologista Anthony Fauci declarou à BBC que está a desenvolver uma vacina que apresentou resultados promissores em animais e espera iniciar já em setembro os primeiros testes em seres humanos, que deverão decorrer até janeiro de 2015. Se esta primeira fase correr bem, o especialista norte-americano afirma que deverá ser possível começar a produzir a vacina até ao final do próximo ano, com as primeiras doses a ser administradas aos profissionais de saúde que prestam cuidados diretos nas áreas afetadas.

Perante a ausência de tratamento ou cura da infeção pelo Ébola, pela sua elevadíssima taxa de mortalidade e pelo receio da expansão mundial da epidemia, aumenta a pressão para o desenvolvimento de um tratamento ou medicação preventiva eficaz. Esta droga surpreendeu pela sua existência e por se revelar tão eficaz. Resta saber quanto tempo vai demorar a constituir-se um tratamento de rotina capaz de travar a epidemia e salvar a vida aos milhares de pessoas já infetadas na África subsariana.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)