Sexismo: conjunto de ações e ideias que privilegiam determinado género ou orientação sexual em detrimento de outro. A definição teórica tem consequências práticas no dia-a-dia — e foram estas atitudes sexistas vividas pelas mulheres que inspiraram o projeto Everyday Sexism Project. O objetivo é “catalogar relatos de situações” que comprovem a desigualdade sentida pelas mulheres. O site está disponível em 19 línguas e aposta na partilha sem fronteiras das histórias, “para mostrar ao mundo que o sexismo existe, é enfrentado pelas mulheres diariamente e é um problema válido a discutir”. De problemas graves no trabalho a piropos insultuosos, os promotores do projeto têm recebido “histórias muito diversas”.

https://twitter.com/lyndseyj/status/495627976630099968

As histórias chegam ao Everyday Sexism Project através de emails e do Twitter, com a hashtag #EverydaySexism. Os promotores da iniciativa fizeram uma seleção das situações mais vezes experienciadas pelas mulheres no local de trabalho, com excertos das descrições.

1. Ser tratada como “secretária”

“Sou a chefe do departamento de angariação de fundos na organização em que trabalho. Sempre que vou a uma reunião com o outro responsável do meu departamento, ele é cumprimentado primeiro e a conversa é dirigida diretamente para ele. Uma vez até me perguntaram se eu estava lá para tirar notas, apesar de ter dito qual era a minha função logo no início da conversa.”

2. Ser chamada de “linda menina”

“Chamaram-me ‘linda menina’ com um ar irónico, depois de uma reunião em que dei muitas ideias ao principal gerente. Tentei controlar-me . Disse ‘Desculpe, não percebi a intenção.’ Ele repetiu. Um dia, chamei-lhe ‘lindo menino’, mas não numa reunião. Ele percebeu o meu ponto de vista, mas disse que não tinha dito aquilo com intenção.”

3. Dizerem “deves estar menstruada” quando se expressa uma opinião forte

“Uma colega minha advogada teve de andar atrás de um funcionário num outro departamento por estar super-atrasado no cumprimento de um prazo importante para entregar vários papéis. Quando foi falar com ele, a resposta foi: ‘Estás naquela altura do mês?’ E isto aconteceu numa importante firma de advogados.”

4. Perguntarem “está algum homem disponível?”

“Trabalho num escritório de advogados. Já tive várias pessoas ao telefone que me pediram para falar com um homem.”

5. Ser considerada “um risco” por causa da maternidade

“Tive uma entrevista para um trabalho num escritório de uma pequena empresa quando estava na casa dos 20 anos. Um dos sócios disse-me que não me ia contratar porque eu provavelmente iria engravidar e a maternidade era um fator contra e ainda acrescentou que, se eu dissesse que ele tinha dito aquilo, iria negar”.