Um espécime de uma das mais raras espécies de alforreca gigantes foi avistada no mar Adriático, no norte de Itália, pela primeira vez em 70 anos. Não se registava a sua presença naquela zona desde 1945.

A alforreca em questão pertence à espécie Drymonema dalmatinum e pode ter mais de um metro de diâmetro. O seu nome advém da sua descoberta na costa da Dalmácia, uma região que abrange territórios da Croácia, Bósnia e Herzegovina e Montenegro, por volta de 1880, por Ernst Haeckel, um biólogo alemão.

Não se sabe muito sobre estas alforrecas, diz o Telegraph. Nem sobre o quão poderoso o seu ferrão pode ser, nem se o seu reaparecimento no mar Adriático se relaciona com o aquecimento global. De acordo com alguns especialistas, esta espécie de alforreca tem duas fases distintas na sua vida: uma fase inicial, em que habitam no fundo do mar, e uma segunda fase, quando crescem e abandonam o fundo do mar. Entre as duas fases podem passar décadas.