Nove meses depois do início dos protestos que conduziram ao afastamento de Victor Ianukovich da presidência da Ucrânia, as barricadas da Praça da Independência, em Kiev, começaram a ser retiradas. A iniciativa partiu do presidente da câmara, que também se envolveu nos trabalhos de limpeza da praça, pedindo aos habitantes de Kiev que ajudassem na operação. Ainda assim, registaram-se alguns confrontos entre polícia e protestantes, que não queriam que as barricadas fossem retiradas.

Os protestos mais violentos deram-se na quinta-feira, mas já este sábado também houve confrontos, tendo mesmo um homem sido detido pela polícia por tentar evitar a aproximação das autoridades de um monte de objetos em chamas com uma arma de fogo. Entretanto, os ânimos já serenaram e, segundo uma jornalista no terreno, Rachael Newport, neste momento são os próprios protestantes que montaram as barricadas que estão a remover os destroços.

Vitali Klitschko, o presidente da câmara da capital ucraniana, ele próprio uma das pessoas mais envolvidas nas manifestações contra Ianukovich justificou a decisão de limpar as barricadas com a necessidade de “restaurar a ordem para que não haja mais explosões, tiros e pneus em chamas na principal rua da cidade”. “Só conseguiremos fazer isso, se o fizermos juntos”, disse, apelando à participação de mais voluntários.