A epidemia do vírus Ébola na África ocidental “está a alastrar e (a situação) deteriora-se mais rapidamente do que a capacidade de resposta”, advertiu hoje uma responsável da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF). Joanne Liu, diretora da MSF, falava após uma visita de dez dias à região. “Estamos perante uma total falência das infraestruturas”, disse Liu, considerando que “se a situação não for estabilizada na Libéria, nunca se estabilizará a região”.

“Trata-se apenas da ponta do icebergue”, advertiu a responsável da organização não-governamental (ONG) de prestação de cuidados médicos às pessoas contaminadas. A MSF está presente nos três países mais afetados, Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa. A ONG tem no terreno um total de 692 pessoas, incluindo 72 estrangeiros. O Ébola causou 1.069 mortos nestes três países e na Nigéria, de acordo com o último balanço da OMS.

A doença, que se transmite por contacto direto com o sangue e fluídos corporais de pessoas ou animais infetados, causa graves hemorragias e pode atingir uma taxa de mortalidade de 90%. Não é conhecida vacina. Esta é a primeira vez que se identifica e confirma uma epidemia de Ébola na região da África Ocidental, até aqui sempre registadas na África Central.