País

Cliff Richard rejeitou “chave de ouro” de Albufeira

Artista recusou a homenagem no seguimento das investigações a um alegado abuso sexual a um menor em 1980. Carlos Silva, autarca de Albufeira, disse que Richard é um "distinto membro" da cidade.

Richard decidiu cancelar também a sua presença num evento solidário na Catedral de Canterbury

Ian Gavan/Getty Images

Autor
  • Hugo Tavares da Silva
Mais sobre

Cliff Richard, estrela pop britânica, recusou a oportunidade de receber a “chave de ouro” da cidade de Albufeira, conta o Telegraph. O cantor vive uma parte do ano nesta região do Algarve desde os anos 60, o que levou o conselho da autarquia a votar unanimemente na homenagem ao britânico, de 73 anos.

No entanto, as investigações em curso sobre um alegado abuso sexual a um menor, em 1980, levaram o artista a rejeitar a distinção da Câmara Municipal de Albufeira. “Cliff foi convidado a receber a ‘chave de ouro’ da cidade porque é um distinto membro de Albufeira”, disse Carlos Silva, o presidente da autarquia, ao Telegraph. E continuou: “É uma grande honra. Estamos a reconhecer grandes políticos e figuras da sociedade civil. Ele não está aqui hoje [quarta-feira] por sua decisão.”

O anúncio de que havia decidido não ser homenageado chegou por telefone há três dias. “Mútuo acordo”, foi assim que uma fonte do conselho explicou a decisão, para não assombrar o evento. “Eles quiseram proteger a cerimónia; era muito importante para eles [CM e Richard]”, disse a mesma fonte. O Telegraph revelou ainda que, segundo os seus amigos, Richard se mostrou “desiludido” por não poder aceitar a homenagem.

No seguimento das buscas feitas na casa do artista em Sunningdale, Berkshire, Richard decidiu cancelar também a sua presença num evento solidário na Catedral de Canterbury, em setembro, onde era suposto atuar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Taxas Moderadoras

Capitulação do bom senso

Diogo Prates

O outro lado da demagogia desta maioria é que enquanto acabam com taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários, os antipsicóticos mais recentes deixaram de ter comparticipação a 100%. 

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)