Rádio Observador

Ambiente

Novo estudo revela que o buraco de ozono está a diminuir

402

Um relatório publicado ontem indica que a camada de ozono está a recuperar. Os cientistas concordam que são boas notícias, mas recomendam cautela.

O maior buraco alguma vez registado na camada de ozono foi identificado pela NASA no ano 2000. Tinha aproximadamente três vezes o tamanho dos EUA.

Getty Images

Autor
  • Pedro Esteves

São boas notícias: após 30 anos de declínio, a espessura da camada de ozono está a aumentar. O estudo foi publicado ontem pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP) e coloca os valores atuais numa tendência de recuperação a caminho dos registados em 1980, altura em que a camada de ozono começou perigosamente a perder espessura.

O ozono distribui-se em volta do planeta Terra numa camada bastante fina que serve de filtro às radiações ultravioleta, responsáveis por muitos efeitos nocivos para os seres vivos e em particular para a saúde humana; o cancro da pele é o seu efeito mais nefasto — o melanoma é o nono tipo de cancro mais comum na Europa, com 100 mil novos casos diagnosticados em 2012.

Os ciclos de distribuição do ozono — buraco de ozono — são sazonais e variam naturalmente porque estão relacionados, entre outros fatores, com a circulação de ar nas camadas mais altas da atmosfera terrestre. Há muito tempo que os cientistas perceberam que a sua espessura é também influenciada pela composição química da atmosfera. O Protocolo de Montreal foi assinado em 1987 e nele constava uma lista de substâncias quimicamente responsáveis pela degradação química do ozono — e consequentemente, pela sua destruição. Os mais conhecidos são os CFCs (clorofluorcarbonetos), durante décadas usados nos sprays e nos eletrodomésticos (por exemplo nos frigoríficos). A sua produção foi banida em todo o mundo, mas ainda existem reservas no ambiente e na atmosfera. Os cientistas afirmam que a proibição dos compostos perigosos está agora a ter efeito e se esta tendência continuar, em 2050 a camada de ozono deve atingir a espessura medida no início da década de 1980.

Contudo, os especialistas alertam que os gases que estão a ser usados para substituir os perigosos CFCs não são inócuos, pelo contrário, muitos deles contribuem para o “efeito de estufa” e consequentemente para o aquecimento global. O relatório da UNEP sublinha que a camada de ozono e o aquecimento global estão relacionados mas têm de ser analisados em separado, ou seja, que a recuperação da espessura da camada de ozono — e com isso a menor entrada de raios ultravioleta — não significa que os gases de estufa estejam a diminuir, pelo contrário. Ken Jucks, cientista da NASA, afirmou à BBC que “estas são boas notícias mas temos de nos manter vigilantes. Ainda vão ser precisas mais algumas semanas para concluir a análise dos últimos dados recolhidos […] mas representam o poder potencial dos acordos internacionais.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)