Rádio Observador

Quercus

Quercus denuncia falta de controlo de restos de produtos animais e pede fiscalização

A Quercus denunciou a falta de controlo de subprodutos de origem animal, que podem ser integrados nas rações animais e entrar na alimentação humana, com riscos para a saúde pública.

Quercus quer fazer fiscalização conjunta com Asae

LUSA

A Quercus denunciou esta quarta-feira a falta de controlo de subprodutos de origem animal, restos ou materiais fora de prazo, nas grandes superfícies, podendo ser integrados nas rações animais e entrar na alimentação humana, com riscos para a saúde pública.

Através de denúncias e de um inquérito, a associação de defesa do ambiente diz ter obtido “um retrato superficial, mas preocupante” e apela às entidades competentes para que façam uma operação para “passar a pente fino todas as grandes superfícies, para saber a quem exatamente estão a entregar [os produtos] e se os operadores de SPOA [subprodutos de origem animal] estão em condições de receber esses materiais”.

Pedro Carteiro, da Quercus, afirmou à agência Lusa que “não existe uma hierarquia presente para a gestão dos produtos de origem animal, se existisse era mais fácil encaminhar” para os operadores licenciados.

“Consideramos francamente que não existe um controlo por parte das entidades oficiais em relação aos produtores de SPOA, grandes superfícies comerciais e os respetivos operadores, que depois encaminham para os vários destinos possíveis, nomeadamente para ração animal, para entrar na cadeia alimentar humana”, salientou o ambientalista.

“Existindo uma má gestão, nomeadamente mistura de materiais que não sofreram controlo veterinário, ou as próprias embalagens, que não são adequadamente geridas, pode haver risco para a saúde pública”, alertou.

Uma das entidades que receberam o relatório da Quercus realizado a partir do inquérito, foi a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) que confirmou à associação ter instaurado 20 processos de natureza contraordenacional, neste âmbito.

“A ASAE foi a primeira a responder e deu-nos alguma tranquilidade porque estão despertos para o tema e apelamos para que faça uma ação concertada a todas as grandes superfícies comerciais e operadores”, realçou Pedro Carteiro.

A legislação obriga a que todos os produtos que contenham derivados animais quando classificados como SPOA, por exemplo, materiais fora de prazo ou restos de talho e peixaria, devam ser recolhidos seletivamente, e conduzidos a um tratamento específico consoante a sua classificação, podendo ir para incineração ou aterro, quando apresentam grande risco para a saúde pública.

Estes produtos podem ser restos do talho ou carne embalada, mas também materiais menos evidentes, como os enlatados de salsicha ou os bolos que contêm ovos.

Em alguns casos, explicou, estes subprodutos “podem ser misturados com outros resíduos que não são adequados, como os materiais de categoria um, falamos, por exemplo, de animais mortos em estrada, como cães, como aconteceu em Espanha, que podem ter doenças que podem migrar para a farinha e para as pessoas que venham a consumir” os animais assim alimentados.

O ambientalista lembrou que “foi assim que surgiu a chamada doença das vacas loucas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)