Rádio Observador

Clubes e Associações

Oficina comunitária em Coimbra ajuda ciclistas a repararem as suas bicicletas

A oficina comunitária de Coimbra ajuda os ciclistas com pequenos reparos nas suas bicicletas e promove também o uso deste meio de transporte numa cidade de "sobe e desce".

PAULO NOVAIS/LUSA

A oficina comunitária de bicicletas – cicloficina – surgiu “pela necessidade” de os ciclistas de Coimbra terem um espaço onde pudessem realizar pequenas reparações, disse à agência Lusa Bia Carneiro, uma das voluntárias, referindo que “o formato foi inspirado na cicloficina de Lisboa”.

Desde agosto que a cicloficina funciona na primeira quarta-feira de cada mês, entre as 18:00 e as 20:00, num formato “completamente voluntário e gratuito”, em que se “trazem dúvidas e trocam-se dicas”, realçou, acrescentando que a oficina é também um “espaço de convívio para a comunidade” de ciclistas.

Na quarta-feira, realizou-se a cicloficina pela segunda vez, na Casa das Artes, em Coimbra.

Na entrada da casa, encontravam-se bicicletas encostadas à parede e ao portão e uma mesa com ferramentas, como chave de fendas e chave de estrelas, uma bomba de enchimento e óleo “de máquina de costura, que é o melhor para as bicicletas”, contou Paulo Andrade, outro dos voluntários.

Na cicloficina, oleiam-se bicicletas, arranjam-se os eixos das rodas, afinam-se travões, reparam-se as mudanças e fazem-se outras “pequenas afinações”, de modo a que as pessoas “possam andar de forma mais segura” pela cidade, contou.

A iniciativa vive inteiramente do espírito voluntário dos participantes, frisou Paulo Andrade, referindo que aconselham as pessoas a trazerem ferramentas, óleo ou remendos, para “permitir que alguém que não trouxe ferramentas ajude a reparar, ou que alguém que viu o problema resolvido” possa aplicar esse conhecimento e ajudar outra pessoa.

O voluntário realçou ainda a importância deste tipo de eventos para se acabar com “o mito” de que em Coimbra, com as suas subidas e descidas, não dá para andar de bicicleta.

“Estou quase com 50 anos e resolvi o problema das subidas usando os transportes públicos em subidas mais longas”, afirmou Paulo Andrade, apontando ainda para a existência de “muitas zonas planas em Coimbra”, como a zona junto ao rio Mondego, a baixa de Coimbra ou as áreas de planaltos da cidade.

Daniel Miranda, de 19 anos, que foi à cicloficina para resolver “uns problemas no eixo traseiro” da bicicleta e mudar o óleo, é a “prova” de que em Coimbra é possível pedalar.

Todos os dias, desde que não chova, faz os três quilómetros entre a Universidade de Coimbra e a sua casa, referindo que, “com uma bicicleta com mudanças, sobe-se e desce-se bem” pela cidade.

Para o jovem, a oficina comunitária ajuda a promover o uso da bicicleta, apontando para o caso de “um senhor, que tinha uma bicicleta um pouco enferrujada, parada na garagem, veio cá arranjá-la e agora Coimbra já tem mais um ciclista”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)