Rádio Observador

Efeméride

O eterno Super-Homem deixou de voar há 10 anos

Os quase dois metros de altura, porte atlético e talento para a representação deram-lhe o papel de Super-Homem, em 1978. O acidente de cavalo derrubou Christopher Reeve, mas ele lutou. Até 2004.

Autor
  • Sara Otto Coelho

Teatro, cinema, ativismo. Os 52 anos de vida de Christopher Reeve foram recheados, mas o ator será sempre recordado como o Super-Homem. Mesmo 10 anos depois da sua morte.

A personagem da DC Comics era um sucesso nos livros aos quadradinhos e na série televisiva dos anos 50, com George Reeves a dar vida ao Super-Homem. Faltava um grande filme no cinema.

A oportunidade chegou em 1978, pela mão do realizador Richard Donner. O elenco contava com Marlon Brando, Gene Hackman e Glenn Ford, mas o papel principal foi para um jovem e desconhecido ator chamado Christopher Reeve. Os quase dois metros de altura e o porte atlético terão ajudado à contratação. Era o próprio Reeve a protagonizar as cenas para as quais era aconselhado um duplo.

O filme correu tão bem que se seguiram mais três, em 1980, 1983 e 1987. Mas Christopher Reeve também fez por despir a capa de Super-Homem e os óculos de Clark Kent, participando frequentemente em outros filmes e séries.

Até maio 1995. Durante uma competição equestre no estado da Virgínia, Reeve sofreu um acidente de cavalo e ficou tetraplégico. As participações na sétima arte não pararam totalmente, mas o papel principal do “Super-Homem” passou a ser a busca por melhorias de saúde, dele e dos outros deficientes motores. Christopher Reeve deu o seu nome a uma fundação de angariação de fundos para a investigação na área das lesões cervicais e tornou-se um acérrimo defensor dos direitos dos deficientes.

Casado e pai de três filhos, Reeve sofreu uma paragem cardíaca comum em pessoas paralisadas, no dia 9 de outubro de 2004, quando se encontrava em casa. Entrou em coma, acabando por morrer no dia seguinte, aos 52 anos.

HOLLYWOOD, CA - OCTOBER 11:  Flowers and memorbilla are seen on Christopher Reeve's star at the Hollywood Walk of Fame on October 11, 2004 in Hollywood, California. Reeve died of heart failure on October 10.  (Photo by Frazer Harrison/Getty Images)

A 11 de outubro de 2004, os fãs prestaram homenagem a Christopher Reeve no Passeio da Fama, em Hollywood. © Frazer Harrison/Getty Images

Filho continua a apoiar tratamentos na medula espinal

Para lembrar a data, o filho mais velho de Christopher Reeve, Matthew Reeve, anunciou esta quinta-feira progressos no tratamento de lesões na medula espinal. E desejou que o pai estivesse vivo para ver.

À revista People, apresentou, pela primeira vez, o avanço no tratamento de dois homens através da terapia de “estimulação epidural”. Segundo a revista, depois de ter ficar paralisado, Chistopher, que morreu em 2004, e a mulher Dana Reeve, que morreu dois anos depois, dedicaram a vida a melhorar a vida de seis milhões de pessoas com paralisia através do Chistopher & Dana Reeve Foundation.

Quando o pai ficou tetraplégico, Matthew era um adolescente. Na memória guarda as conversas frequentes ao jantar sobre os últimos avanços científicos relacionados com a medula espinal. “É uma honra continuar o trabalho que ele começou”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Efeméride

Maio de 68: 50 anos depois

João Carlos Espada

Contra os anseios revolucionários de Maio de 68, a França permaneceu “burguesa”, isto é, livre e democrática. Pôde assim absorver ideias de Maio de 68, que teriam sido esmagadas pelos comunistas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)