Era uma vez um rapaz francês que não aprendeu todas as lições na infância. Lava os dentes, faz os trabalhos de casa, diz obrigado, respeita as pessoas, luta pelo que queres, não gozes com os outros e não festejes antes de tempo. Estes poderiam muito bem ser alguns ensinamentos para a formação de qualquer garoto. Layvin Kurzawa, um defesa do Mónaco, falhou uma das aulas e recebeu, na terça-feira, uma lição de humildade.

A seleção sub-21 francesa deslocou-se à Suécia para defender uma vantagem de dois golos, depois da vitória (2-0) em Le Mans, há uma semana, cortesia de Florian Thauvin e
Geoffrey Kondogbia. Era a presença no Campeonato da Europa de 2015, na República Checa, estava em cima da mesa. Os suecos tinham pela frente uma missão muito, muito difícil. Guidetti, um avançado possante do Celtic (emprestado pelo Manchester City), é porventura a cara mais conhecida desta equipa que veste como o Brasil.

Mas bastaram três minutos para o Evereste parecer mais baixinho. Isaac Thelin, um avançado do Malmo com ascendência congolesa, marcou de cabeça depois de um canto, dando assim uso ao 189 centímetros que tem. Trinta e dois minutos volvidos e o homem, que veste a camisola que Zlatan Ibrahimovic outrora usou, voltou a celebrar um encontro entre a bola e as redes da baliza rival. E deixou tudo empatado. Quem diria, hein?

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A França não tinha jeito de reagir. E quem voltou à carga foram os suecos, que fizeram o terceiro aos 71′, por Lewicki, um médio do Hacken. Três-zero, na gíria popular, era quase capote e chegava para a equipa da casa marcar a viagem para Praga. Mas o balde de água fria chegaria a três minutos do fim. Um remate de um francês desviou caprichosamente num defesa, acabando por seguir a rota para o segundo poste. Aí, surgiu Thauvin a tocar de cabeça para a pequena área, onde apareceu aquele que supostamente seria o herói gaulês: Kurzawa.

Aquele golo arrancava o apuramento das mãos dos suecos, que iam morrer na praia. Kurzawa ficou louco, a correr e a celebrar na cara de jogadores suecos com aquela saudação à Lucho González, como quem está a ver ao longe. Mas — e aqui ficava tão bem aquele “mas” arrastado de Scolari — o futebol tem muitas lições para oferecer.

Apenas um minuto depois daquele circo todo, a Suécia teve direito a um canto. Lewicki, na área, atacou a bola com o pé direito, colocou-a com classe e empurrou um país inteiro para a pilha de nervos que é viver um Europeu. Quatro-um. Fim de partida. Os suecos, naturalmente, não resistiram e usaram e abusaram do gesto de Kurzawa, como quem procura a Ponte Carlos, em Praga. O selecionador sueco, Hakan Ericson, disse no fim que “quase parece surreal”. Mas era a realidade. Curioso é lembrar o logótipo que a França inscreve nas camisolas. Foi galo…