Pelas 09:00 (hora de Lisboa), o PSI20 seguia a negociar nos 5.020,62 pontos, com praticamente todos os títulos a negociarem no vermelho, à exceção da Impresa, que seguia inalterada.

A liderar as perdas seguiam as ações da Portugal Telecom, que afundavam 5,35% para 1,31 euros, seguidas das da Mota-Engil, que perdiam 4,14% para 3,66 euros.

As ações do BCP seguiam igualmente a pressionar o PSI20, com uma desvalorização de 3,97% para 0,08 euros.

Lisboa acompanhava uma Europa que arrancou hoje em alta, mas ao fim da primeira hora de negociação inverteu a tendência, com os investidores preocupados com a rejeição dos parceiros europeus a um fim antecipado do programa de resgate pedido pela Grécia.

A inflação na zona euro será é o principal indicador da zona euro que vai ser hoje conhecido, segundo os analistas citados pela agência de informação financeira Bloomberg, dando nota de que os investidores estarão atentos aos números que saírem.

Além disso, os mercados europeus estão a aguardar por “sinais encorajadores”, que possam modificar a sua perceção sobre o fraco crescimento da economia mundial.

Todavia, o cenário de deflação na zona euro está a preocupar os investidores, até porque a economia dos Estados Unidos não dá mostras de vir a alterar a sua política monetária elevando as taxas de juro, apesar de o mercado de trabalho estar a melhorar.

As bolsas deverão ainda, durante a sessão de hoje, ser influenciadas pela saída dos dados da produção industrial nos Estados Unidos, o regresso, hoje, de Espanha ao mercado de dívida, a divulgação de resultados trimestrais de empresas norte-americanas e pelo mau comportamento da bolsa japonesa.

O preço do barril de Brent, para entrega em novembro, abriu hoje em baixa no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, a valer 82,79 dólares, menos 1,18% do que no fecho da sessão anterior.