Dias curtos, frio e noites longas. A receita para o Inverno é esta: mantas, cobertores, chá quente e uma dose razoável de mau humor, que pode incluir fadiga ou insónias – a não ser que seja um dos poucos que sofre de transtorno afetivo sazonal (SAD), ao contrário. Ou seja, durante o verão.

Regra geral, quem sofre desta espécie de depressão sazonal, fica mais deprimido durante o outono e o inverno, por causa da falta de sol, mas também há quem fique triste com o aproximar e durante os dias quentes, ou seja, entre maio e setembro, segundo o Wall Street Journal.

O que sentem os deprimidos do verão? Agitação, insónias, perda de apetite e de peso, segundo Norman Rosenthal, professora de psiquiatria na Georgetown University Medical School, coautora de um estudo de 1989 sobre o tema e autora do livro Winter Blues, também sobre o distúrbio afetivo sazonal.

Se cerca de 5% da população fica afetado pelo estado do tempo entre novembro e março, apenas 0,7% é afetado pela chegada do calor. Sobre o fenómeno que é esta espécie de depressão do verão ainda se sabe muito pouco, mas as suspeitas são várias. Uma delas recai sobre uma eventual aversão ao calor e à humidade.

Um em cada quatro adolescentes foi classificado como ‘summer hater’ – pessoas que odeiam o verão. Sentem-se frequentemente ansiosos ou revoltados quando o sol aquece os dias.

Na Índia, por exemplo, há uma maior incidência de estados depressivos durante o verão do que no inverno, segundo um estudo de 2012 que envolveu 508 indianos e 862 italianos. Porquê? Uma das hipóteses parece estar no facto de a reta final do verão indiano apresentar níveis elevados de humidade. Nos italianos, registou-se o oposto – a tendência é a de ficar deprimido durante o inverno.

Outra das das justificações para o SAD do verão pode estar na alergia ao pólen. Diz um estudo da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos da América (EUA), que quem é alérgico aos grãos das flores tende a ter percentagens mais elevadas de depressão nos meses mais quentes. 

E no que toca aos estados de espírito, a mente também tem uma palavra a dizer: existem fatores psicológicos que podem provocar humores depressivos, como quando alguém detesta suar, por exemplo, explica Jaap Denissem, professor de psicologia em Tilburg University, na Holanda. E outra curiosidade: este tipo de distúrbio pode ser mais frequente entre adolescentes.

Um em cada quatro adolescentes foram classificados como summer haters – pessoas que odeiam o verão – sentem-se frequentemente ansiosos ou revoltados quando o sol aquece os dias, segundo um estudo de 2011 levado a cabo por Theo Klimstra, também professor na universidade holandesa. Segundo Kilmstra, os humores dos adolescentes tendem a ser mais voláteis. Contudo, há uma ressalva: o estudo foi feito em junho, quando os adolescentes também poderiam estar mais revoltados por ainda estarem na escola.

Quem se sente deprimido no verão, sofre várias alterações de humor : regra geral, sente-se bem em espaços com ar condicionado, mas fica triste quando volta para a rua, o que pode significar uma incapacidade para regular a resposta do corpo às mudanças de temperatura. 

Se o verão é associado a uma vida social mais animada, que convida a festas ao ar livre e a programas na praia ou à beira da piscina, então os summer haters podem ter mais um motivo para ficarem deprimidos: como se explica a quem está alegre que se está triste?

De qualquer forma, Jephtha Tausig-Edwards alerta, psicólogo em Nova Iorque, alerta que o importante é evitar o isolamento e procurar combinar atividades com amigos e familiares que fujam do calor e sol. Um filme, em casa ou no cinema, parece frio o suficiente para as temperaturas elevadas do verão.

Se em vez vez de ficar triste, ficar eufórico? O diretório dos Médicos de Portugal informa: é provável que sofra de desordem afetiva sazonal invertida. Os sintomas são humor constantemente elevado, aumento da atividade social, hiperatividade e entusiasmo desproporcional à situação.